BANCADA DA DISCÓRDIA

Briga por liderança do PDT pode acabar em punição

Briga por liderança do PDT pode acabar em punição
05/02/2010 01:31 - MARCO EUSÉBIO


A briga entre os vereadores Paulo Pedra e Loester Nunes pela liderança do PDT na Câmara de Campo Grande pode ser levada ao Conselho de Ética da sigla e acabar em punição. Presidente do diretório municipal da sigla, Pedra informou ontem que entregará à Mesa Diretora do Legislativo na próxima sessão, na terça-feira (9), ofício da Executiva do PDT informando que ele é o novo líder em substituição a Loester. E disse que, se este insistir em discordar da decisão, o impasse será resolvido pelo próprio partido. “Se ele teimar em continuar na liderança, será chamado ao Conselho de Ética para dizer se vai ou não acompanhar a decisão do partido”, declarou Pedra. Se continuar contrário à decisão partidária, “cabe advertência e até expulsão”, acrescentou. O presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), disse ontem que enquanto não for provocado não se pronuncia sobre o caso, já que liderança é uma decisão dos próprios vereadores de cada partido. “Não sou eu que quero ser o líder, é o partido”, diz Pedra, acrescentando que a decisão foi tomada por toda a Executiva. A exceção foi Loester, que, convidado, não compareceu à reunião. “O líder tem de estar afinado com o partido e representar o PDT na Câmara. E o Loester é voz dissonante no PDT”, acusa. “Toda sua assessoria, inclusive, se desligou do PDT e se filou no PSDB”, acrescenta. “Ter alguém no partido trabalhando contra é complicado. Aí não dá”, reclama Paulo Pedra. Sem consenso, Loester Nunes continua na liderança do PDT. “Sou o líder e vou continuar sendo”, afirmou na primeira sessão do ano, na terça-feira. Questionado sobre o ofício da Executiva, declarou que sem sua assinatura o documento não tem validade. “Não fui à reunião do diretório porque este é um assunto da Câmara, para se resolver aqui”, afirmou. “Ele já é presidente do PDT Municipal, porque quer ser líder na Câmara?”, questionou. “Sou um histórico do PDT, não um neófito que chegou ontem. Não reconheço o atual diretório”, afirmou Loester, que é ligado ao grupo do deputado estadual Ary Rigo, que trocou a sigla pelo PSDB depois de perder o comando estadual do partido para o grupo do deputado federal Dagoberto Nogueira, por meio de intervenção da Executiva Nacional. Pela disposição de Loester, a briga deve continuar. “Não vou sair do partido. Vou ser uma pedra no sapato dessa gente”, prometeu.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".