Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

PARAGUAI

Brasileiros são presos por tráfico de drogas

7 FEV 2011Por EDILSON JOSÉ ALVES/PONTA PORÃ 17h:37

Uma operação desencadeada pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai, resultou na apreensão de 58 kg de cocaína na prisão de quatro pessoas, sendo duas delas de nacionalidade brasileira. O trabalho policial foi acompanhado pelo Ministério Público e por um juiz criminal e desenvolvido na noite de sábado em Pedro Juan Caballero na divisa com Ponta Porã.
Conforme as informações repassadas pela Senad, por volta das 18h30min. os agentes deram início a operação “Tremor”. A investigação resultou na prisão de Marcelino Rojas Júnior, que também atende pelo apelido de “Nino”, que segundo as autoridades paraguaias, seria um importante membro de organização criminosa dedicada ao tráfico internacional de drogas.
No interior da primeira residência visitada pelos policiais, foram localizados vários tabletes de cocaína, que juntos totalizaram 57,960 kg. No local também foram apreendidos um computador portátil, cinco aparelhos de telefone celular, duas motocicletas, um automóvel Audi A3 e detidos os paraguaios residentes na referida casa, Absdan Gonzalez, de 21 anos, e Gladys Andrea Duarte Gonzalez, de 27 anos.
Na segunda casa visitada pelos agentes, situada na avenida Marechal Lopez entre as ruas Boquerón e Benjamin Aceval, foram detidos os brasileiros Marcelino Rojas Júnior, de 29 anos, e Fabiano Silva Caballero, de 24 anos, ambos moradores no local, onde foram apreendidos mais 8 gramas de cocaína, uma pistola calibre 9 milímetros, sete motocicletas, um veículo Golve, nove celulares, dois rádios de comunicação, quatro projéteis para pistola calibre 5.56 e uma mira laser para pistola.
Em seguida os detidos e o material apreendido foram encaminhados para a base operacional da Senad na zona rural de Pedro Juan Caballero. O promotor de justiça, Julian Rodriguez, disse que os acusados já vinham sendo monitorados pelo setor de inteligência da Senad, o que acabou resultando na operação “Tremor”. Todo o trabalho foi acompanhado pelo juiz criminal Cândido Insfran, que expediu os mandados de prisões.
 

Leia Também