ESPORTES

Brasileiros estreiam na disputa da Copa Sul-Americana

Brasileiros estreiam na disputa da Copa Sul-Americana
04/08/2010 08:36 -


Rio de Janeiro

O futebol brasileiro entra em campo a partir de hoje disposto a conquistar seu segundo título na história da Copa Sul-Americana, competição que até 2008 era uma espécie de tabu para os times do Brasil. O Internacional, justamente em 2008, derrotando o Estudiantes, da Argentina, na decisão, acabou com um jejum de títulos do nosso País. A edição deste ano terá um atrativo a mais para todos os participantes, pois o campeão vai se credenciar para jogar a próxima Copa Libertadores
Valorização do título da Copa Sul-Americana, por sinal, é a principal aposta da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) para tornar a competição um dos eventos mais importantes do futebol mundial.
“Em vários países a Copa Sul-Americana já tem a devida importância, como na Argentina, que lidera a corrida pelos títulos. No Brasil, com o troféu conquistado pelo Internacional em 2008, a valorização tende a aumentar, pois os demais times também não vão querer ficar para trás”, apostou Nicolás Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). O campeão da Sul-Americana, por sinal, já disputa com o ganhador da Copa Libertadores a Recopa Sul-Americana.
Esse ano o Brasil será representado por quatro equipes e as duas primeiras entram em campo hoje, com o jogo entre Grêmio Prudente e Atlético-MG. Amanhã será a vez de Goiás e Grêmio duelarem. Os confrontos Santos x Avaí e Vitória x Palmeiras começam apenas a partir da próxima semana.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".