Segunda, 18 de Dezembro de 2017

ATENTADO

Brasileira morta no Líbano é enterrada em cerimônia pública

3 JAN 2014Por FOLHA PRESS16h:00

A brasileira Malak Zahwe, morta durante um atentado a bomba ontem, em Beirute, foi enterrada hoje à tarde no sul do Líbano em uma cerimônia pública da qual participaram líderes políticos e religiosos.

A estudante, que tinha 17 anos, é uma das vítimas recentes de uma onda de ataques terroristas no país, dando conta de que a aparente tranquilidade política dos últimos anos está sendo estilhaçada pelas bombas e pelas disputas sectárias.

Malak estava na região de Haret Hreik, sob influência da milícia xiita Hizbullah, quando um carro-bomba explodiu, deixando ao menos cinco mortos e mais de 60 feridos. Ela provava roupas com sua madrasta, que também morreu.

Nascida em Foz do Iguaçu, a garota morava em Beirute há anos. Amigas de infância ouvidas pela reportagem da Folha de S.Paulo, durante o enterro, afirmam que ela sonhava em tornar-se uma enfermeira. "Ela tinha muita fé em Deus, todo o mundo queria ser amigo dela", diz Karima Jebai, 17, natural do Paraná e no Líbano a passeio.

Fátima Hijazi, 18, foi avisada da morte da prima por meio de familiares. Também nascida em Foz do Iguaçu e em Beirute durante uma visita, ela viajou até Majdal Silem, na fronteira com Israel, para o enterro. "Quando alguém da nossa família é vítima de um atentado, temos mais medo de que aconteça conosco também".

Abir Hijai, 17, diz à reportagem que já foi avisada pelos pais de que ela só irá voltar para Beirute quando for a hora de pegar o avião de volta ao Brasil. "Morrer em um atentado é horrível, porque minha prima não tinha feito nada", afirma. "Ela foi encontrada com as roupas que estava provando, ainda com a etiqueta."

Segundo Saad al-Hariri, ex-premiê e importante figura política no país, as vítimas dos atentados recentes são dano colateral "do envolvimento em guerras externas", em referência à participação do Hizbullah no conflito da Síria, ao lado do regime do ditador Bashar al-Assad.

Ao enviar guerreiros à vizinha Síria, o Hizbullah opôs-se diretamente às facções sunitas que lutam pela deposição do ditador Assad.

Na semana passada, outro carro-bomba deixou sete mortos e mais de 50 feridos na capital libanesa. Entre as vítimas estava Mohammad Chatah, ex-ministro e um desafeto público do Hizbullah.

"Essa é uma grande batalha contra o terrorismo", afirmou ontem Ali Hassan Khalil, ministro da Saúde. 

Leia Também