Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Brasil quer incentivar produção de elétricos e híbridos

Brasil quer incentivar produção de elétricos e híbridos
14/03/2014 05:00 - carrobonito


Os veículos apelidados de “verdes” no mercado atual pagam mais impostos que os carros convencionais. Entretanto, com o fim do período de carnaval já são esperadas taxas com descontos. Confira os detalhes:

Com o objetivo de ficarem mais baratos e populares, os carros que apresentam uma baixa ou uma emissão nula deverão ganhar incentivos. A redução dos preços em questão será voltada para os modelos que sejam híbridos ou elétricos.

A novidade já estava prevista, mas deverá começar com uma certa força no período pós carnaval. Ao menos essa foi a ideia expressa pelo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O assunto parece estar caminhando com passos firmes até porque foi um dos assuntos mais discutidos na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, sessão que foi requerida pela senadora Ana Amélia, que é partidária do PP – RS e foi realizada na terça dia 25.

Entre os diversos detalhes positivos que envolvem o tema Moan antecipou que eles vão do incentivo para a produção de carros verdes em terras nacionais quanto para a importação desses veículos. Outro detalhe importante, é que para beneficiar e de certa forma chamar a atenção para a ação será criada uma espécie de complementação ao programa Inovar-Auto uma vez que a categoria em questão será a responsável por gerar menos poluição.

Segundo o presidente da Anfavea, o plano proposto pela Associação ao governo tem seus fundamentos em três etapas: a primeira delas tratará de propor a redução do Imposto sobre os Produtos Industrializados – o famoso IPI – que no momento atual do mercado tem um percentual de 25% para modelos de veículos híbridos e elétricos. A título de curiosidade isso é quase que o dobro da tributação cobrada em relação aos veículos movidos com motor a combustão no mercado brasileiro.

Felpuda


Vêm aumentando que só os disparos de segmentos diversos contra cabecinha coroada que, até então, acreditava voar em céu de brigadeiro. O novo coronavírus chegou, ganhou espaço, continua avançando e atualmente tem sido o melhor cabo eleitoral dos adversários. A continuar assim, sem ações mais eficazes, o estrago político poderá ser grande. Observadores mais atentos têm dito que o momento não é de viver o conto da “Bela Adormecida”. Só!