Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Brasil monitora crise na Síria e conversa com autoridades estrangeiras

23 JUL 12 - 13h:46AGÊNCIA BRASIL

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reiterou hoje (23) à Agência Brasil que o agravamento da tensão na Síria é “monitorada” pelo governo do Brasil com atenção por meio de relatos de brasileiros e estrangeiros que estão no país. Segundo ele, há expectativa em torno da negociação para aprovar, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, a manutenção dos observadores estrangeiros na região até o final de agosto. Há 16 meses, o país está em crise e mais de 16 mil pessoas morreram neste período.

Desde sexta-feira (20), a Embaixada do Brasil na Síria funciona parcialmente. A maior parte dos serviços passou a ser feita nas representações do Brasil em Beirute, no Líbano, e em Amã, na Jordânia. A transferência do embaixador do Brasil em Damasco, Edgard Casciano, dos diplomatas e de algumas atividades ocorreu por motivos de segurança, segundo Patriota. O representante do governo brasileiro para os Assuntos de Oriente Médio, embaixador Cesário Melantonio Neto, disse à Agência Brasil que a comunidade internacional atua para evitar a adoção de medidas que possam aumentar o “clima de apreensão”, semelhante ao que houve na Líbia no ano passado. “O potencial de desestabilidade na Síria é imenso, basta observar os vizinhos”, disse.

A Síria está próxima do Líbano, da Turquia, da Jordânia, de Israel e do Iraque – todos países que constantemente estão em alerta por tensões internas e externas. O embaixador chegou ontem (22) dos Estados Unidos, onde participou das reuniões de um grupo trabalho sobre Oriente Médio cujo tema principal foi Síria. “O Brasil e vários países trabalham para tentar buscar uma saída pacífica e de manter os esforços por uma transição [de poder] para, assim, evitar um derramamento de sangue maior do que o que vem ocorrendo”, disse Melantonio Neto, primeiro representante do Brasil na Liga Árabe (integrada por 23 países).

O embaixador disse que as autoridades brasileiras e estrangeiras estão preocupadas com a possibilidade de uso de armas químicas e também com o aumento de armas e munições na região. Melantonio Neto acrescentou que as duas ameaças são reais porque o governo sírio dispõe de um imenso arsenal de armas químicas e, paralelamente, perdeu poder sobre as regiões de fronteira – Líbano, Turquia e Jordânia. “O temor é que o fluxo de armas, por meio das fronteiras, aumente, uma vez que essas regiões foram tomadas por vários grupos”, disse o embaixador. “O receio é que a militarização dos conflitos aumente ainda mais principalmente se o poder for tomado por grupos radicais.”

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PM entra na frente de mulher com faca para evitar assassinato
NO INTERIOR

PM entra na frente de mulher com faca para evitar assassinato

Reforma dos sete terminais de ônibus da Capital custará R$ 5,4 milhões
TRANSPORTE PÚBLICO

Reforma dos sete terminais de ônibus custará R$ 5,4 milhões

Bandido ameaça menina com faca durante assalto
NA VILA JACY

Bandido ameaça menina com faca durante assalto

“Quem anda com arma ou é polícia ou é bandido”, diz parlamentar
CONGRESSO

“Quem anda com arma é polícia ou bandido”, diz deputado

Mais Lidas