Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Brasil gastou pouco mais da metade do previsto contra chuvas, informa ONG

Brasil gastou pouco mais da metade do previsto contra chuvas, informa ONG
27/12/2013 18:00 - folhapress


Em 2013, o governo federal gastou pouco mais da metade do valor previsto em uma das principais ações de prevenção e combate a desastres naturais, segundo levantamento da ONG Contas Abertas.

De acordo com esses dados, o governo gastou 61,5% do que estava previsto no programa "Gestão de Risco e Resposta a Desastres" - R$ 3,2 bilhões de R$ 5,2 bilhões reservados.

Em sua conta no Twitter, a presidente Dilma Rousseff afirmou, porém, que os investimentos totais contratados na prevenção a desastres naturais somam R$ 21,3 bilhões.

"São obras em drenagem urbana, proteção de encostas e proteção de cheias - R$ 13,6 bilhões de recursos a fundo perdido do Orçamento, e R$ 7,7 bilhões de financiamento com 20 anos para pagar", afirmou Dilma, que hoje sobrevoou áreas de Minas Gerais atingidas pelas chuvas.

O Contas Abertas, entretanto, afirma que as cidades mineiras mais atingidas pelas chuvas não receberam nenhum repasse do governo federal relativo ao programa "Gestão de Risco e Resposta a Desastres".

O mesmo ocorreria no Espírito Santo - também visitada por Dilma nesta semana -, que recebeu apenas R$ 13 milhões do total previsto para todos os estados. No entanto, o governo federal havia previsto o repasse de R$ 60 milhões em 2013.

As ações do programa são de responsabilidade dos Ministérios das Cidades, Integração Nacional e Defesa.

Para o diretor do Contas Abertas, Gil Castelo Branco, os resultados refletem um problema histórico de falta de planejamento. 

Felpuda


Mensagens trocadas por aí mostram que deverá “virar moda” políticos anunciarem que testaram positivo para a Covid-19. E sem medo de dizer que isso é porque o presidente Jair Bolsonaro anunciou ter sido infectado, e aí essa tchurminha estaria interessada também em ganhar holofotes. Porém, ressaltam que, como não se pode duvidar de coisa séria, o jeito é desejar “restabelecimento”. E não deixam de lembrar que o risco é a população descobrir que não fazem a menor falta. Essa gente...