Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Brasil esbarra no forte ritmo dos EUA e é derrotado no vôlei

Brasil esbarra no forte ritmo dos EUA e é derrotado no vôlei
30/07/2012 15:17 - TERRA


No que foi uma reedição da decisão olímpica de 2008 e também do Grand Prix de Vôlei Feminino desse ano, quando Brasil e Estados Unidos disputaram ponto a ponto o título, mas uma vitória das americanas no hexagonal deu o ouro às meninas da América do Norte, a Seleção foi totalmente dominada pelas rivais e sucumbiu por 3 sets a 1, sem chances para reação. O duelo, ocorrido no Earls Court, foi válido pelo Grupo B da primeira fase dos Jogos Olímpicos de Londres e terminou com parciais de 25/18, 25/17, 22/25 e 25/21.

O Brasil sofreu para conseguir virar as bolas, sendo neutralizado diversas vezes pelo bloqueio americano e facilitando a recepção das adversárias. Em grande atuação da ponteira Larson, as americanas não encontraram dificuldades para passar pelo bloqueio brasileiro, principalmente por causa dos saques pouco eficientes do Brasil. No segundo set, o Brasil teve sérios problemas de recepção, sofrendo com o saque dos Estados Unidos e ainda viu Sheilla, sua principal atacante, errar muito nos ataques. Zé Roberto tentou modificar a equipe, colocando Fernanda Garay no lugar de Jaqueline e Adenízia no lugar de Thaisa.

As modificações não deram resultado e o que se viu foi um passeio das americanas, principalmente através dos ataques da oposto Hooker. Eleita melhor jogadora da Superliga em 2012, a americana virou quase todas as bolas em que foi acionada e ainda complicou o Brasil quando estava no bloqueio. Com mais de 10 pontos atrás no placar, Zé Roberto modificou praticamente toda a equipe que começou a partida como titular. Colocando as cinco reservas em quadra, o time verde e amarelo melhorou na partida. Conseguiu assumir a dianteira no placar, abriu vantagem, mas deixou as americanas encostarem.

Apesar da nítida melhora na Seleção ao longo do terceiro set, principalmente graças à entrada de Dani Lins no lugar de Fernandinha na posição de levantadora, o Brasil parecia que não ia conseguir o suficiente para vencer. Mas, com muita raça, retomou a dianteira e fechou em 25/21. Entretanto, a superioridade técnica e física das americanas foi mais uma vez evidente na parcial seguinte. Abusando dos bloqueios, o time dos EUA parava as brasileiras na rede a todo instante, motivadas sobretudo pelas bolas curtas da equipe verde e amarela. No fim, não deu: 25/21 para as rivais.

Agora, o Brasil tentará sua reabilitação nos Jogos Olímpicos e volta às quadras na próxima quarta-feira, quando encara o time da Coreia do Sul. As asiáticas possuem campanha melhor que a da Seleção, uma vez que possuem menor diferença entre sets ganhos e perdidos.
Os Estados Unidos, por sua vez, assumiram a liderança do Grupo B e não devem ter dificuldades para confirmar a classificação. O duelo seguinte das americanas é contra a China, também na quarta-feira, sendo que as asiáticas possuem campanha similar às atletas da América: venceram duas de duas partidas.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?