sexta, 20 de julho de 2018

Brasil é o quinto país em novo Índice de Riqueza Inclusiva, criado pela ONU

18 JUN 2012Por ig05h:00

O Brasil aparece em quinto lugar no crescimento per capita entre 20 países analisados por um novo "Índice de Riqueza Inclusiva (IRI)", lançado neste domingo, que busca suprir as deficiências de dois outros índices já existentes, o PIB (Produto Interno Bruto) e o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). A apresentação foi feita este domingo, na Rio+20.

Para o programa, o PIB e o IDH são falhos porque medem a economia dos países e não incluem informações sobre o meio ambiente e se as políticas nacionais são sustentáveis ao longo do tempo. "Nem o PIB nem o IDH refletem de nenhuma maneira o estado de conservação da natureza ou dá indicações se os níveis de bem-estar são sustentáveis", afirma a pesquisa.

Já o IRI oferece, diz a ONU, uma "análise mais abrangente dos vários componentes de riqueza de um país, avaliando mudanças em capital humano, produzido e natual ao longo do tempo e apresenta uma perspectiva no bem-estar humano e na sustentabilidade".

No ranking do IRI elaborado com base na performance anual entre 1990 e 2008, o Brasil aparece empatado na quinta posição com Índia, Japão, Reino Unido. Seis dos 20 países avaliados tiveram crescimento negativo no IRI - Colômbia, Nigéria, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul e Venezuela. O principal motivo foi crescimento populacional, com a exceção da Rússia.

Dos 20 países - que representam 56% da população e 72% do PIB mundial - 19 tiveram queda no capital natural, ou seja, destruíram a natureza mais do que compensaram essa destruição. O Japão, que aumentou sua cobertura de florestas, foi a exceção. Para 13 dos demais países, essa diminuição não correspondeu exatamente a uma queda no índice

Embora, entre os países medidos no PIB per capita, o Brasil fique na metade final (11a posição, com 1,6% de crescimento médio), no IRI o País salta para a quinta, com 0,9%.

As mudanças na riqueza inclusiva do Brasil se deveram principalmente pelo rápido crescimento em capital humano, em 48%, o que compensou a considerável perda de 25% do capital natural. Essa perda se deu principalmente pelo desmatamento de florestas (66% dessa perda), além de uso de áreas para agricultura e o uso de combuistíveis fósseis.

Nesse período de 20 anos, apesar de os recursos naturais terem caído 25%, o capital humano elevou-se em 48% e o PIB brasileiro cresceu 34%, o que fez o IRI ser positivo.

Leia Também