ECONOMIA

Brasil deve produzir 27,4 bilhões de litros

Brasil deve produzir 27,4 bilhões de litros
24/03/2010 10:12 -


A produção de etanol do Brasil em 2010/11 (abrilmarço) deve subir para 27,4 bilhões de litros, contra 24 bilhões em 2009-10, de acordo com estimativa da consultoria F.O. Licht divulgada ontem. A Licht ainda elevou o consumo de etanol do Brasil em 2010- 11 para 25,2 bilhões de litros, ante 22,5 bilhões em 2009/10. Segundo a consultoria alemã, o açúcar já pode ter atingido o seu pico de preço após a máxima de 29 anos registrada na Bolsa de Nova York, de 30/40 centavos de dólar por librapeso, o que pode resultar em preços de etanol mais competitivos no Brasil e no mundo. “A frota de carros flex (no Brasil) vai continuar a se expandir e o etanol vai voltar a ser competitivo”, declarou o diretor-geral da Licht, Christoph Berg, em conferência internacional realizada em São Paulo. Por outro lado, ele disse ainda que uma indústria mais bem capitalizada diante de fusões e aquisições ocorridas no país deve também aumentar a capacidade de as empresas segurarem seus estoques, evitando que os preços despenquem, como ocorreu na safra passada. Segundo a Licht, nos últimos três anos, ocorreram no Brasil 60 acordos envolvendo 100 usinas. Berg citou a joint venture fechada entre a Shell e a Cosan, um sinal de que as empresas multinacionais estão atuando cada vez mais no setor. Com a produção maior em 2010/11, a Licht estima estoques finais para o novo ano-safra, a ser encerrado em março de 2011, de 1,82 bilhão de litros.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".