Brasil deve melhorar acesso à educação de qualidade, diz OCDE

Brasil deve melhorar acesso à educação de qualidade, diz OCDE
22/02/2014 04:00 - TERRA


Relatório divulgado nesta sexta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) diz que o Brasil deve resolver problemas estruturais como o acesso desigual à educação de qualidade e deficiências de infraestrutura para incentivar a criação de empregos e o equilíbrio na proteção social. O relatório Avançando Rumo ao Crescimento 2014 foi apresentado pela OCDE em Sidney, na Austrália.

Uma das recomendações da OCDE é que o Brasil aprimore os resultados e a igualdade no acesso à educação, melhorando a remuneração dos professores, expandindo programas de formação profissional e concedendo incentivos de desempenho a esses profissionais. "No caso do Brasil, as reformas na área da educação contribuirão para a redução das desigualdades", diz o relatório.

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) é destacado no relatório como uma ação notável, responsável por um sistema de ensino profissionalizante cujo objetivo é ampliar a rede de escolas técnicas federais e dar treinamento gratuito a jovens de baixa renda.

A OCDE também faz recomendações ao Brasil na área econômica, tais como aumentar o investimento privado em infraestrutura, remover obstáculos à concorrência, reduzir as distorções no sistema tributário e incentivar a formalização dos trabalhadores.

O relatório ressalta que o governo simplificou procedimento para obras públicas e também cita o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) dizendo que as ações do programa estão em fase de implantação, mas que ainda há muito a ser feito para acelerar o investimento em infraestrutura.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".