sábado, 21 de julho de 2018

MUNDIAL DE VÔLEI

Brasil derrota República Tcheca

30 OUT 2010Por g106h:41

 

A turma estava completa. Na lista de chamada, Natália, Sheilla e Adenízia, recuperadas de lesões, estavam à disposição de José Roberto Guimarães. Do lado de fora da classe, Carol Gattaz e Camila Brait brincavam de hora do recreio, comendo maçãs e conversando. A aula, porém, não foi tão fácil de ser compreendida. Apesar das lições dadas pelo técnico, que gritava, pedindo a atenção das alunas constantemente, elas insistiam em ficar dispersas. Eram repreendidas. Ao fim da prova, a nota não chegou nem perto de 10, mas foi suficiente para passar. No tie-break, a seleção brasileira derrotou a República Tcheca por 3 sets a 2, parciais de 22/25, 25/22, 23/25, 25/20 e 15/9, e conquistou a segunda vitória no Mundial, na arena de Hamamatsu.

Em seu primeiro jogo na edição 2010 da competição, Sheilla, que sofria com dores nas costas, foi a maior pontuadora, com 27 pontos. Pela República Tcheca, Havlickova somou 25. O Brasil volta a jogar na manhã deste domingo e terá seu desafio mais difícil até o momento. A adversária será a Holanda, a partir das 7h (de Brasília). A Rede Globo e o SporTV transmitem ao vivo.

Erros na rede e desconcentração no primeiro set

Thaisa já havia avisado: as tchecas eram altas e podiam levar vantagem no bloqueio. Não deu outra. Início de jogo, e o nome Pastulova era o mais gritado pelo locutor no ginásio. A central virou todas as bolas e colocou sua equipe à frente. A seleção brasileira foi buscar o resultado e encostou no marcador depois de um belo rali, que terminou no ataque de Jaqueline, após a ponteira fazer duas belas defesas.

Na estreia, a camisa 8 do Brasil não tinha ficado satisfeita com sua atuação e disse que iria chamar mais a responsabilidade no segundo jogo. Foi o que ela fez. Jaqueline chegou ao saque e abriu caminho para o empate brasileiro. Natália mandou um torpedo na ponta, e Thaisa parou Havlickova, a melhor do time, no bloqueio.

A torcida, que levou pandeiros e surdos e tocou samba no ginásio, começou a gritar “Brasil” e a secar as tchecas. Deu certo. A seleção virou o jogo, com uma pancada de Natália na ponta. Mas a estreante em Mundiais ainda não estava totalmente à vontade em quadra. No saque de Plchotova, errou a recepção. Zé Roberto pediu tempo. Na volta, mais um erro no ataque. Sheilla também mandou a bola na antena.

Com o placar em 22 a 20, o técnico brasileiro parou o jogo novamente. Mas a seleção estava desconcentrada. Jaqueline não conseguiu pegar um saque tcheco, e Havlickova garantiu o ponto do set com uma largadinha bem ao estilo brasuca. Sozinha no meio, Pastulova encerrou a parcial como começou, com um ataque sem defesa para as brasileiras: 25 a 22.

Apagão no fim do set atrapalha a seleção

Na volta à quadra, Sheilla começou a aparecer. A oposta virou todas as bolas na saída de rede e contou com a ajuda de Jaqueline, que voou na ponta, para levar o Brasil à maior vantagem no jogo até o momento. Tudo deu certo para a seleção. Com pressão da torcida, a estrela do time tcheco, Havlickova, errou o saque. Na sequência, erro primário de formação e ponto verde e amarelo.

No entanto, mais uma vez, o Brasil sofreu um apagão. Depois do ace de Muhlsteinova, a vantagem no placar, que era de 17 a 11, começou a diminuir. Natália parou no bloqueio, e Zé Roberto pediu tempo. Sheilla também não passou pela muralha tcheca. O técnico brasileiro decidiu tirar a oposta e Dani Lins da partida. Joycinha e Fabíola entraram, mas as substituições não fizeram efeito. Havlickova foi para o saque e deixou as europeias a um ponto do Brasil, com 19 a 20.

No ponto de segunda de Dani Lins, a seleção voltou a se encontrar em quadra. Jaqueline, novamente, chamou a responsabilidade, e Fabiana virou todas as bolas. No ataque de Thaisa pelo meio, o jogo ficou empatado: 25 a 22.

Seleção reclama com a arbitragem russa

Terceiro set, Sassá entrou em quadra. A ponteira, que foi um dos destaques na estreia, melhorou a defesa da seleção. Dani Lins também começou a distribuir melhor as bolas. Mas a equipe parou, novamente, no bloqueio tcheco. O placar mostrava uma vantagem de três pontos para as europeias. A arbitragem também ajudou. Em um lance polêmico, o russo Andrey Zenovich deu desvio em uma bola que havia caído fora da quadra brasileira. Todas as jogadoras e o banco reclamaram. Em vão.

Zé Roberto mexeu no time e colocou Adenízia. A central, que não havia jogado a primeira partida devido a um estiramento no ligamento do cotovelo, já entrou conseguindo um belo bloqueio. Mas os constantes ataques direcionados para Havelkova não encontravam o chão. A tcheca mostrou ter boa defesa e passe certeiro. Em seguida, a camisa 16 ainda parou Sheilla na rede. Motivo suficiente para o técnico brasileiro pedir tempo. O placar mostrava 22 a 17 para as tchecas.

Natália voltou à quadra, no lugar de Sassá. Na primeira bola, a ponteira mandou uma bomba e ajudou o Brasil a encostar no marcador. Sheilla errou o saque, mas Fabiana manteve a seleção viva no set. Do outro lado, porém, tinha Havlickova. A número 4 voou por cima do bloqueio e fechou a parcial em 25 a 23.

Fabi tenta motivar a equipe em quadra

No quarto set, a seleção voltou melhor. Fabíola entrou no lugar de Dani Lins e deu mais opções ao ataque brasileiro. Natália e Sheilla começaram a virar as bolas, e o placar chegou a ter uma diferença de cinco pontos (12 a 7). Porém, assim como em todas as parciais, o time sofreu um apagão. Quando a vantagem ficou em dois pontos, Zé Roberto parou o jogo. Antes disso, dentro da quadra, Fabi batia palmas e gritava com as jogadoras para tentar chamá-las de volta à partida.

Jaqueline errou duas bolas seguidas, e a República Tcheca encostou no marcador. Mas, com direito a grito para expressar o esforço para acertar uma bola levantada errada, Sheilla mandou para o chão e tranquilizou o time. Fabi fez uma bela defesa, e Thaisa deu um leve toque na rede para fazer o 22° ponto. Ace de Fabíola e pancada de Natália abriram caminho para a vitória no set. Sheilla concluiu, atacando na saída de rede: 25 a 20.

O jogo foi para o tie-break, e Natália voou para abrir vantagem para a seleção logo no início. As tchecas reagiram, pegando Jaqueline no bloqueio triplo. Mas a estrela de Natália brilhou novamente, com um ponto de saque. A equipe começou a vibrar mais em quadra. No tempo técnico, o grupo se juntou, e Fabíola gritou: “Vamos ganhar!”. No bloqueio triplo , e com o incentivo da torcida, a seleção conquistou a segunda vitória no Mundial.

 

Leia Também