Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 21 de outubro de 2018

Brasil apreende R$ 1 bilhão por ano em mercadorias irregulares

11 SET 2010Por 09h:17
Curitiba

Os organismos policiais e fiscais brasileiros apreendem, em média, R$ 1 bilhão por ano em mercadorias contrabandeadas. De 2004 até setembro de 2010 foram apreendidos no País cerca de R$ 6 bilhões em mercadorias contrabandeadas, uma média recorde de R$ 1 bilhão por ano.
“O crime de pirataria, mesmo com o crescimento da economia, vem diminuindo sensivelmente no País. O consumidor está começando a entender que comprar esse tipo de produto traz consequências drásticas e começa a buscar alternativas dentro da legalidade.
No Brasil está acontecendo o inverso porque, em vários países, esse tipo de comércio tem crescido”, disse o presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos Contra a Propriedade Intelectual (CNCP), Rafael Favetti.
No ano passado, houve queda de 4% no uso de programas de computador (softwares) piratas em todo o País. Ainda de acordo com Rafael Favetti, é preciso desmascarar a visão romântica de que quem distribui mercadorias no comércio ilegal, sem o pagamento de impostos, “é bonzinho”, está gerando emprego e que é “melhor trabalhar na ilegalidade do que estar nas ruas roubando”. Ele enfatizou que a pirataria está ligada ao crime organizado, ao tráfico internacional de seres humanos e ao trabalho escravo.
O presidente do CNCP e a secretária-executiva do conselho, Ana Lúcia Moraes Gomes Soares estiveram reunidos hoje (10), em Curitiba, com agentes públicos municipais e federais para discutir a organização de um seminário de capacitação para representantes de órgãos que atuam no combate à pirataria. O seminário deverá ocorrer em outubro.
Ana Lúcia justificou a necessidade do seminário como instrumento para dar mais agilidade às ações do projeto Cidade Livre de Pirataria, que tem a adesão da capital paranaense, de São Paulo e do Distrito Federal. Ela defendeu a atuação conjunta de órgãos dos governos federal, estaduais e municipais, citando como exemplo a parceria do CNCP com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), firmada em dezembro de 2008.
“Naquele ano foram apreendidas 20 toneladas de medicamentos falsificados. Desde então, já apreendemos 360 toneladas”, argumentou.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também