Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

POSTOS

BR diz que vai reduzir preço de combustíveis

12 MAI 2011Por G111h:12

A BR Distribuidora, empresa subsidiária da Petrobras, anunciou nesta quarta-feira (11) que vai reduzir o preço dos combustíveis. O álcool deve cair 13 %, e a gasolina, 6 % na distribuidora. A redução já seria consequência da nova safra de cana de açúcar.

Para o consumidor, a queda do preço na bomba vai depender do repasse que cada posto de combustível fará. A redução é uma forma segurar a alta nos preços dos combustíveis, que foram os principais vilões da inflação do mês passado.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, já havia antecipado que "a BR Distribuidora iria reduzir o preço da gasolina, em meio ao esforço do governo para combater a inflação.

Segundo o ministro, a mesma coisa acontecerá com o etanol comercializado pela BR Distribuidora. Lobão avalia que uma vez que a BR, líder de mercado, faça isso, as outras distribuidoras seguirão o mesmo caminho.

A redução do preço da gasolina está sendo beneficiada pela queda do preço do álcool anidro, que é misturado ao combustível vendido nos postos atualmente na proporção de 25%.

A diminuição nos preços da gasolina também acontece em meio aos esforços do governo para conter a inflação.

Nesta quarta, por exemplo, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) subiu 0,70% na primeira prévia de maio, ante alta de 0,55% em igual período de abril.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,87% na primeira prévia de maio, ante variação positiva de 0,46% na primeira leitura de abril. A gasolina apresentou a principal alta na leitura inicial de maio, de 6,25%, contra avanço de 2,20% em igual leitura de abril.

Importantes autoridades têm manifestado publicamente a necessidade de se controlar a inflação.

O governo vem tomando medidas nos lados monetário e fiscal para conter a alta dos preços. No mês passado, o Banco Central diminuiu o ritmo da alta do juro, para 0,25%, mas disse ver um aperto por um período "suficientemente longo", levando o mercado a prever mais elevações do que o anteriormente estimado.

No início desta semana, o mercado reduziu sua previsão de inflação neste ano após oito semanas, estimando que o IPCA em 2011 feche o ano em 6,33%, abaixo do teto de 6,50% da meta do governo, segundo relatório Focus divulgado pelo BC.

Leia Também