Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

RODOVIA ECOLÓGICA

BR-262 será cercada na região pantaneira

22 OUT 2010Por Sílvio Andrade, Corumbá00h:00



A BR-262, que corta Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, por mais de 750 km, será a primeira rodovia ecológica do Brasil atestada pelo Ibama e com conceitos avançados de sustentabilidade. Parte do trecho de 220 km entre Miranda a Corumbá, que cruza o Pantanal, terá intervenções que incluem abertura de espaços sob as pontes de concreto para passagens de animais silvestres, cercamento e sinalização sonora.
O projeto foi autorizado ontem pelo Ibama, em Brasília, e faz parte das compensações ambientais da última etapa da obra de recuperação e implantação de acostamento na rodovia, que recebeu o licenciamento ambiental no dia 19. O ato foi assinado pelo presidente do órgão, Abelardo Bayma Azevedo.
A ligação Miranda-Corumbá é o último trecho implantado da rodovia, que nasce no Espírito Santo e chega à fronteira com a Bolívia. A obra foi um desafio para a engenharia moderna, no início dos anos 80, ao superar longos trechos alagados da planície. Foram construídas cerca de 60 pontes nos 220 km para dar vazão às cheias no bioma, reduzindo os impactos ambientais.

Reduzir velocidade
A abertura rodoviária numa região isolada, no entanto, trouxe problemas principalmente à fauna, com a ocorrência de alta incidência de atropelamentos de animais – principalmente lobinho, capivara, jacaré e tamanduá. A alta velocidade em áreas de migração de animais, que cruzam os altos aterros da pista em busca de alimentos, é responsável pela mortandade.
“Não sabemos mensurar o efeito das intervenções em relação ao trânsito de animais, mas com certeza vai reduzir de forma significativa os atropelamentos”, disse o superintendente do Ibama/MS, David Lourenço. Ele explicou que a rodovia ecológica começa em Anastácio, mas a concentração dos túneis se dará a partir de Miranda, com base em estudos do Ibama e Embrapa Pantanal. O projeto inclui cercamento com telas em trechos de maior ocorrência de animais silvestres e sinalização visual e sonorizada para alertar os motoristas em relação a redução de velocidade nestas áreas.
“Alguns trechos receberão cercas para impedir a invasão dos animais na pista. A concepção da rodovia ecológica ganha ainda mirantes (um deles no Buraco das Piranhas) para o turista contemplar a natureza”, explicou o superintendente regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), Marcelo Miranda.

Leia Também