Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Bovespa recupera pontos e dólar fecha em R$ 1,77

21 JUL 10 - 20h:53
Rosangela Dolis e Taís Fuoco (AE)

Puxado pelas fortes valorizações das ações da Vale e de siderúrgicas, o Ibovespa reverteu rapidamente uma queda inicial e manteve-se em alta até o fechamento, enquanto em Nova York as bolsas oscilaram em baixa na maior parte do tempo, reagindo apenas no meio da tarde de ontem, para encerrar com ganhos. A reação refletiu expectativas de que os comentários que o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fará durante audiências no Congresso hoje e amanhã poderão reforçar apostas de que a taxa de juros nos EUA permanecerá em um nível baixo até 2011.
Antes disso, o mercado acionário norte-americano sucumbiu à divulgação de resultados corporativos abaixo do esperado e ao dado de queda de 5% em junho no número de obras de imóveis residenciais iniciadas nos EUA. O Ibovespa deixou de lado essas influências negativas e decolou junto com as ações de empresas ligadas a commodities, diante do anúncio pelo Ministério do Comércio da China de que as importações do país vão aumentar e das apostas em que o governo chinês evitará a adoção de novas medidas de aperto monetário.
A bolsa brasileira gostou também de estimativas de redução do ritmo de alta da Selic na reunião do Copom de ontem e de hoje. Parte dos analistas mudou projeções de alta de 0,75 ponto porcentual para 0,50 ponto porcentual, após a divulgação de novos indicadores de queda da inflação. O IPCA-15 de julho apontou deflação de 0,09%, enquanto a segunda prévia do IGP-M teve variação de 0,03%. Esse cenário em que a inflação recua, mas há manutenção das expectativas de crescimento do País em torno de 7% este ano, é também bem visto pelos investidores.
O Ibovespa fechou em alta de 1,84%, aos 64.462,50 pontos, sua pontuação mais alta desde 28 de junho.

Câmbio
O dólar pronto na BM&F recuou para R$ 1,7734 ontem, queda de 0,69%, enquanto no balcão a moeda americana perdeu 0,73%, a R$ 1,7740, em um dia em que a divisa abriu em alta, mas passou a cair e oscilou entre a máxima de R$ 1,7990 e a mínima de R$ 1,7720.
Os rumores sobre falta de liquidez a alguns bancos que estão passando pelos testes de estresse na Europa pressionaram a moeda única do bloco, que caiu ante o dólar. Perto das 16h40min, o euro, que chegou a bater US$ 1,30 na madrugada, era negociado a US$ 1,2894, de US$ 1,2945 na segunda-feira no final da tarde em Nova York. Já o dólar subia para 87,39 ienes, de 86,86 ienes à tarde em Nova York. Ainda no mercado local, o Banco Central fez leilão para compra de moeda no mercado à vista entre 15h20min e 15h30min e fixou a taxa de corte em R$ 1,7742.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

RESTRIÇÃO

Trump limitará vistos para grávidas para frear 'turismo de maternidade'

Mesmo sem confirmar convite, Regina Duarte escolhe 'número 2' da Cultura
SECRETARIA

Mesmo sem confirmar convite, Regina Duarte escolhe 'número 2' da Cultura

NESTE ANO

Governo vai alterar sistemática de correção do salário mínimo, diz Waldery

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel para distribuidoras
REAJUSTE

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel para distribuidoras

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião