ECONOMIA

Bovespa recua 1,57% e mercado revê euforia

Bovespa recua 1,57% e mercado revê euforia
12/05/2010 00:14 -


São Paulo

O mercado de ações brasileiro calibrou seu entusiasmo com o bilionário pacote europeu divulgado ontem, em meio a dúvidas e incertezas do investidor sobre as dimensões e o “timing” desse plano para evitar um agravamento da crise na zona do euro.
O Ibovespa, índice que reflete os preços das ações mais negociadas, retrocedeu 1,57% no fechamento, aos 64.424 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,07 bilhões. Nos EUA, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, recuou 0,34% na conclusão dos negócios.
O dólar comercial foi vendido ontem por R$ 1,783, em acréscimo de 0,33%. A taxa de risco-país marca 209 pontos, número 0,95% abaixo da pontuação anterior.
A Portugal Telecom rejeitou segunda-feira à noite uma oferta de 5,7 bilhões de euros (cerca de US$ 7,3 bilhões) feita pelo grupo espanhol Telefônica pela participação dessa companhia portuguesa na holding brasileira de telecomunicações Vivo. A oferta teve preços bem acima dos praticados pelo mercado. A ação preferencial da operadora valorizou 5,05% o pregão de ontem, chegando a disparar mais de 8% no decorrer do dia.  
Entre as principais notícias do dia, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontou que o nível de emprego no setor industrial teve um aumento de 0,7% em março ante fevereiro, pelo terceiro mês consecutivo.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".