Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LINHA E AGULHA

Bordados na pele: conheça a <BR> nova moda entre tatuagens

Bordados na pele: conheça a <BR> nova moda entre tatuagens
29/01/2014 00:00 - TERRA


A tatuagem convencional parece não ser mais suficiente para as pessoas expressarem suas vontades e também prestarem homenagens a entes queridos. Um novo estilo que usa agulha e linha ao invés de tinta tem ganhado alguns adeptos. A jovem Lauryn, mais conhecida como Glitch-Vizen, foi a primeira a bordar uma tatuagem em sua pele. Ela teve a ideia como uma forma de homenagear a avó. Para isso, com linhas coloridas fez em toda a pele das costas um bordado exatamente igual a um desenho que a avó havia feito e emoldurado.

Já a inglesa Eliza Bennett usou a técnica como forma de protesto. A artista costurou as articulações da palma da mão e fotografou o resultado para seu projeto O trabalho de uma mulher nunca termina, no qual questiona qual o valor devido deve ser dado às funções tidas como femininas. Ela pretende desmistificar a ideia de que os afazeres domésticos são "fáceis e rápidos". A artista usou a mão como uma tela em branco e escolheu o bordado porque, segundo ela, a arte representa a sensibilidade e feminilidade das mulheres. Com isto, ela quer alertar para os males fisicos que algumas profissões prioritariamente femininas sofrem, como na limpeza e em fábricas.

Outro adepato de bordar a pele é o espanhol David Catá, que lançou a autobiografia A flor da Pele, na qual retrata pessoas importantes que passaram pela sua vida com retratos bordados nas palmas das mãos. Ele explica que bordar cada um dos rostos destas pessoas que têm "a vida entrelaçada" com a sua leva cerca de 20 minutos. Mesmo com as perfurações das agulhas, o artista afirma que a dor não é tão grande já que atinge a camada mais superficial da pele.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.