INFRAESTRUTURA

Bonito terá <br>R$ 19 milhões para melhorar rodovias

Bonito terá <br>R$ 19 milhões para melhorar rodovias
15/01/2014 16:00 - Gabriel Maymone


Os turistas que visitarem as cidades de Bonito, Jardim e Bodoquena, terão, até o final do ano, melhores condições de acesso rodoviário. O Ministério do Turismo, por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), investiu R$ 19,1 milhões para asfaltar a rodovia MS-382, no trecho entre Bonito e a Serra da Bodoquena. O valor total da obra é de R$ 21,3 milhões, sendo R$ 2,1 milhões do governo do estado.

Bonito é um dos principais destinos de aventura e ecoturismo do país. Suas paisagens naturais, com rios próprios para mergulhos, grutas e cavernas oferecem condições para atividades de lazer aquático, passeios em trilhas, banhos em cachoeiras e modalidades de turismo de aventura. Em 2012, 242 mil turistas estiveram no município visitando as atrações.

“Estamos atendendo a uma demanda que beneficiará os turistas de Bonito e de outras cidades”, disse o secretário nacional interino de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Carlos Henrique Sobral. De acordo com a governadora em exercício do estado, Simone Tebet, a obra deve começar em três meses, após licitação para definir a empresa que vai elaborar e executar o projeto. “Bonito projeta Mato Grosso do Sul para o mundo. Obras como essa garantem que o município seja sempre referência do ecoturismo”, afirma Simone.

No ano passado, a cidade de Bonito foi eleita o melhor destino de turismo responsável no mundo pelo World Responsible Tourism Awards. O prêmio foi entregue na World Travel Market, uma das maiores feiras de turismo do mundo. O destaque ficou para o sistema de voucher para controle do número de turistas de Bonito, que registra o nome do turista e as atrações que pretende visitar. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".