ECONOMIA

Bolsa fecha em queda de 1,2% e dólar avança

Bolsa fecha em queda de 1,2% e dólar avança
20/03/2010 03:17 -


O Ibovespa, principal termômetro dos negócios da Bolsa paulista, cedeu 1,25% no fechamento, recuando para os 68.828 pontos. Nos EUA, a Bolsa de Nova York fechou em queda de 0,35%. Na semana, a Bolsa de Valores sofreu retração de 0,74%, mas no acumulado deste mês, teve ganho de 3,50%. Em um dia sem indicadores econômicos mais fortes, os investidores miraram nas notícias da cena externa, preferindo sair do mercado de ações no último pregão da semana. Grécia, mas também Índia e China, deram o tom das preocupações nos negócios de hoje. E assim como as Bolsas europeias e americanas, a brasileira Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) desvalorizou durante a maior parte da jornada. O dólar comercia l foi vendido por R$ 1,799, em um avanço de 0,55% sobre a cotação de ontem. A taxa de risco-país marca 194 pontos, número quase 2% acima da pontuação anterior. Sob expectativa do balanço da estatal, que deve ser divulgado nas próximas horas, as ações da Petrobras tiveram perdas de 2,13%, no caso das preferenciais, e de 2,05%, no caso das ordinárias. Juntos, os dois papéis movimentaram mais de R$ 1,3 bilhão do giro total de R$ 6,4 bilhões registrado neste expediente. Atenção A Grécia continuou a chamar a atenção dos mercados. A indefinição sobre um possível pacote de auxílio financeiro pela comunidade europeia permanece como uma “sombra” nos mercados mundiais. Embora a economia desse país tenha importância periférica dentro da zona do euro, economistas temem um “efeito dominó” sobre outras nações problemáticas caso a situação grega piore.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".