Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 24 de outubro de 2018

Bolsa fecha com 2,8% de perdas na semana

16 ABR 2010Por 21h:07

São Paulo

 

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) encerrou a semana em tom negativo, confirmando a tendência que foi predominante por todo o período. As Bolsas americanas também fecharam ontem com perdas, refletindo noticiário mais desfavorável.

O Ibovespa, índice que reflete as oscilações de preço das ações mais negociadas, retrocedeu 1,56% no fechamento ontem, indo para os 69.421 pontos. Na semana, o índice acumulou desvalorização de 2,8% e no mês, de 1,35%. Em 2010, ainda há um ganho acumulado de 1,21%.

Profissionais de mercado citaram alguns fatores técnicos para explicar o desempenho negativo da Bolsa brasileira ao longo da semana, contrastando inclusive com o avanço da Bolsa de Nova York, a principal referência dos investidores por aqui.

O vencimento de opções e contratos futuros sobre índice, na quarta, e o vencimento de opções sobre ações, na próxima segunda, teriam mexido com a volatilidade regular dos negócios. Mas muitos preferiram ver algum temor pela perspectiva de um aperto monetário, tanto por aqui quanto na China, grande importador de commodities (matérias-primas) brasileiras e uma das maiores forças da economia mundial.

"Há um problema na China de indefinição. Quais são os próximos passos da política monetária de lá? Os indicadores econômicos divulgados na quarta para quinta vieram muito fortes. E mesmo o Brasil vai ter que subir os juros, o que afeta tudo: investimentos de renda fixa, e investimentos de renda variável", comenta Marcelo Mattos, da mesa de operações da corretora Geraldo Correa.

O Comitê de Política Monetária, que define a taxa de juros (Selic) no Brasil, volta a se reunir no final deste mês. Nos últimos dias, multiplicaram-se as adesões à corrente que aposta num aumento da taxa Selic de 8,75% para 9,50% ao ano. Para esse grupo de economistas, a geração recorde de empregos, o aumento das vendas de varejo, entre outros fatores, sancionaram um aperto maior da política de juros, além da continuidade de Henrique Meirelles na presidência do BC.

O dólar comercial foi negociado por R$ 1,762, em avanço de 0,57%. A taxa de risco-país marca 177 pontos, número 6,6% acima da pontuação anterior.

Em uma jornada relativamente esvaziada de notícias de maior destaque no front doméstico, ganhou relevância ainda maior o noticiário internacional. Nos EUA, chamou a atenção dos investidores os números do setor imobiliário.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também