Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

Bolívia garantirá segurança na região onde brasileiros foram queimados vivos

17 AGO 2012Por agência brasil13h:42

O governo boliviano prepara plano de segurança para a cidade San Matías, na fronteira com o Brasil, onde dois brasileiros foram queimados vivos. Serão reforçadas as presenças militar e policial no município. A decisão ocorre no momento em que o governo brasileiro cobra providências para evitar que episódios semelhantes voltem a ocorrer.

Rafael Max Dias e Jefferson Castro Lima foram presos sob a acusação de matar três bolivianos para os quais tentavam vender uma motocicleta. Houve discussão e Rafael disparou contra os três. Presos, foram levados para a delegacia. Uma multidão indignada invadiu a delegacia e retirou Dias e Lima da cela. Na rua, foram linchados, os corpos encharcados com gasolina e queimados. Os policiais disseram que não houve como conter a multidão por falta de efetivo.

O caso gerou uma reação do Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, que divulgou nota repudiando o episódio. “A Embaixada em La Paz foi instruída a manifestar às autoridades bolivianas repúdio ao crime que vitimou os cidadãos brasileiros, instando-as a adotar medidas que evitem a ocorrência de situações similares e a proceder às investigações necessárias com toda a celeridade e rigor”, diz o texto.

Ontem (16) o ministro do Governo da Bolívia, Carlos Romero, disse que há um projeto para construção de uma Estação Polícia Integral, destinada a fortalecer o efetivo policial e militar. “É uma área de violência intensa envolvendo drogas, carros roubados e a presença do Estado é fraca", reconheceu Romero. A região de San Matías fica perto de 100 quilômetros de fronteira, na qual vivem 70% de bolivianos e 30% de brasileiros.

Segundo ele, as autoridades bolivianas buscam os culpados pela morte dos brasileiros e investigam o crime atribuído a eles. Carlos Romero disse que as autoridades brasileiras serão bem recebidas para a colaborar nas investigações.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também