sexta, 20 de julho de 2018

CULTURA

Bodoquena expõe artesanato kadiweu

10 DEZ 2010Por DA REDAÇÃO23h:48

Indígenas da tribo Kadiwéu estão expondo artesanato no Memorial do Município de Bodoquena. São centenas de peças originadas do barro que estão à venda para a comunidade e principalmente aos turistas atraídos pelas belezas naturais (rios, matas, cachoeiras, piscinas naturais...) da cidade.

Essa exposição é fruto do projeto “Geração Futura Kadiwéu – O velho ensina o jovem”, desenvolvido pela Prefeitura de Bodoquena, através da Secretaria Municipal de Assistência e Promoção Social, para ajudar economicamente dezenas de famílias de indígenas que vivem na área urbana do município.

“Muitas jovens vieram para o município e casaram-se com brancos e  esse projeto foi criado para ajudar essas famílias a terem um complemento de renda para terem uma vida melhor”, explica Rosana Maria Takayassu Hada, primeira dama do município e secretária de assistência social.

A presença de Kadiwéus em Bodoquena, mais de 30 famílias, ocorre pela proximidade da aldeia Alves de Barros, situada no extremo norte do município de Porto Murtinho, onde moram cerca de 2 mil indígenas. A aldeia fica a 50 quilômetros de Bodoquena e 350 quilômetros de Porto Murtinho.

“A população indígena Kadiwéu moradora no município de Bodoquena encontra-se em situação de desemprego, desnutrição, conduzidas a situações impróprias de subsistência  e identidade cultural enfraquecidas. Apesar disso, são pessoas com anseios, carências e necessidades específicas, que precisam ser  atendidas pelo poder público”, justifica a primeira dama Rosana Hada no projeto aprovado que resultou no apoio aos indígenas.

Esse projeto, segundo ela, visa fazer com que pessoas idosas da aldeia Alves de Barros ensinem o artesanato e promovam o resgate cultural da etnia junto aos jovens que vivem em Bodoquena. O projeto, em execução este ano, deu certo e o resultado está na produção de centenas de peças (vasos, quadros, porta lápis, porta canetas, animais feitos de barro, etc) expostas  a partir desta semana (em caráter permanente) no Memorial Serra da Bodoquena, mesmo prédio em que funciona a Secretaria de Turismo e Meio Ambiente do município.

Além de ensinar a trabalhar o barro, as velhas indígenas ensinam também a extração das tintas (preta, vermelha, amarela e outras cores) da própria natureza, ou seja, de cascas de árvores, cipós, sementes e frutos.

Clotilde Mathua, líder na aldeia Alves de Barros e presidente da Associação das Mulheres da Aldeia, enalteceu a iniciativa da prefeitura de Bodoquena na realização desse projeto, pois além de ajudar as jovens que vivem no município, oportunizou também a exposição de peças feitas por mulheres da aldeia.

O prefeito Jun Iti Hada disse que a exposição ficará em caráter permanente no Memorial. Ele pede aos turistas que visitarem o município, que procurem esse prédio, de moderna arquitetura, erguido próximo à entrada da cidade, para apreciar as peças indígenas expostas. “Nesse projeto  em que o velho ensina o jovem, há o resgate da identidade e valores culturais dos kadiwéus”, afirma.

Leia Também