Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

INOVAÇÃO

BNDES libera R$ 4,6 milhões para projetos

3 MAI 2011Por FOLHA ONLINE09h:51

Impulsionar a inovação tem sido uma das metas do governo federal, que já sinalizou neste ano a criação de quatro fundos setoriais com aporte total de R$ 1 bilhão.

Entre as iniciativas recentes está também a inclusão de financiamentos para inovação no cartão BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Foram incluídos como itens financiáveis serviços de pesquisa, desenvolvimento e inovação para produtos e processos, além de serviços técnicos especializados em eficiência energética e impacto ambiental e design.

Até fevereiro, o BNDES havia credenciado no cartão 65 fornecedores de serviços tecnológicos. Outros 25 estão em processo de credenciamento na instituição.

"De 2010, início das operações, até agora, foram liberados R$ 4,6 milhões", diz Rodrigo Bacellar, chefe do departamento de operações pela internet do BNDES.

Segundo ele, a projeção até o final do ano é realizar mais 500 mil operações de todos os tipos por meio do cartão, 90% delas para micro e pequenas empresas.

Os empresários contam ainda com alternativas como agências de fomento, à semelhança da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). Uma de suas principais linhas, a Prime (Primeira Empresa Inovadora), liberou R$ 82,8 milhões em 2010.

O processo é similar a uma licitação. Pode demorar meses até que a verba seja de fato liberada, então é preciso ficar de olho nos editais.

A NL Informática é uma das que receberam aporte da Finep, de R$ 500 mil, para investir em uma solução inovadora de rastreamento de produtos por radiofrequência.

A empresa criou um software que capta o sinal da etiqueta e transmite ao computador. Com isso, não é preciso passar cada produto pelo leitor do caixa nem fazer contagem manual do estoque.

Contrapartida

Para obter a verba, que não precisa ser reembolsada, Grasiela Tesser, gerente comercial e de marketing da NL, apresentou proposta e competiu com 40 empresas.

"Foi necessário buscar consultoria para elaborar o projeto e reunir uma documentação extensa. O processo todo levou cinco meses."

Como contrapartida, a NL terá de investir a mesma quantia. A solução está em fase de implementação.

A Arcon também terá de fazer aporte. Serão R$ 4 milhões para o desenvolvimento de uma tecnologia de segurança da informação.

Outros R$ 4 milhões serão garantidos pelo Programa de Subvenção Econômica e Inovação Tecnológica da Finep.

"Tivemos que fazer um projeto muito bem fundamentado, que exigiu bastante estudo", conta Marcelo Barcellos, presidente da empresa. O processo, afirma, demorou quase um ano.

Leia Também