Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h31min

Blocos resgatam o carnaval das marchinhas

17 FEV 10 - 07h:47
Para contrapor ao carnaval contemporâneo marcado por axé, funk e até rock, 13 blocos desfilaram na noite de segunda-feira, em frente do Armazém Cultural na Esplanada Rodoviária, e fizeram a diferença relembrando marchinhas dos antigos reinados de Momo. “Mamãe eu quero”, “Taí”, “Máscara negra”, “Abrealas” e “Cidade Maravilhosa” foram algumas delas que fizeram parte do animado repertório. Nem as três horas de atraso desanimaram o público – bem maior que o esperado –, nessa primeira concentração de blocos de Campo Grande que superou as expectativas dos organizadores. Marcada para se iniciar às 18h, a apresentação só começou por volta das 21h com a ber t u ra of ici a l do prefeito Nelsinho Trad. Diferentemente do previsto, os carros carnavalescos e o Bloco Amor eu Vou Ali não desfilaram. De acordo com Nelsinho, a apresentação dos blocos cultiva as saudosas marchinhas que sempre estão nas paradas de sucesso. “O desfile tem que virar tradição porque as pessoas vêm animadas e daqui podem surgir até escolas de samba”. Conforme a Fundação Municipal de Cultura (Fundac), a desorganização com relação ao atraso se deu porque este foi o primeiro ano de concentração dos blocos e, a Associação de Blocos e Cordões Carnavalescos de Campo Grande, responsável pelo evento, ainda está adquirindo experiência para corrigir as falhas e melhorar no ano seguinte. O presidente da Fundac, Athayde Nery, disse que neste ano o desfile dos blocos não ocorreu com o das escolas de samba porque são acontecimentos diferentes. “Os blocos são mais liberados. Aqui o que vale é a animação, mas na avenida, se falta uma baiana a escola perde ponto”. Desfile Alguns foliões tiraram a fantasia do armário e desfilaram com perucas, máscaras, vestidos de Carmem Miranda, Chica da Silva e até mesmo Geisy Arruda, da Uniban, – aluna expulsa da faculdade depois de usar um vestido curto – como foi o caso do professor Daniel Amorim, de 31 anos, que há quatro participa do Bloco da Valu. “Espero o ano inteiro para chegar este dia. Adoro”, revelou o educador que sempre sai fantasiado de mulher. Criado em 2007 por funcionários da Santa Casa, o Bloco Tereré conta com cerca de 700 membros que tentam resgatar as marchinhas de época no carnaval campo-grandense, conforme o presidente do bloco Rafael Fandim da Silva. Durante a apresentação do Tereré era possível notar a presença de muitas crianças e até cachorro, que desfilou de coleira no colo da dona. Muito animados, os integrantes usaram e abusaram de confetes e serpentinas. Ao lado de filha, genro e netas, o aposentado Manoel de Souza Silva, 78 anos, disse que desfila há quatro no bloco e aproveita a festa para relembrar os velhos tempos. Sandra dos Santos Cereali revelou que o pai faz questão de sair no Tereré. Já o presidente da associação e responsável pelo Bloco Bem-Te-Vi, Valfrido de Almeida, o Dudu, contou que também é fundador da Escola de Samba Igrejinha e decidiu organizar o bloco quando percebeu que o desfile estava se tornando elitizado. “A escola desfila para o público, já os blocos se apresentam para eles mesmos”, comparou. A vontade de se divertir e participar de carnaval mobilizou um grupo de 10 educadores, que todos os anos convida mais amigos para prestigiar a festa. Conforme os professores João Carlos Ximenes, 46 anos, Eliana Espíndola Rodrigues, 57 anos, e Élcio Adania, 38 anos, eles desfilaram no Bloco do Fubá, na última sexta-feira, assistiram a apresentação das escolas no sábado, desfilaram na Igrejinha no domingo e, na segunda saíram nos blocos Tô na Onda e Bem-Te-Vi. Com aproximadamente 250 membros, o Bloco Quero- Quero também foi criado como uma alternativa para os moradores que não desfilam na escola de samba do Bairro Estrela do Sul, a Unidos do Cruzeiro, segundo o coordenador João Marcelo Pereira. Além da Rainha e Rei Momo, desfilaram na Esplanada Ferroviária os blocos Da Valu; Tereré; To na Onda; Tô que Tô; Moreninha de Ouro; Império dos Amigos; Embalo Estação do Samba; Quero-Quero; Margarida; Beber, Cair e Levantar; Saúde é o que Interessa; Bem- Te-Vi; e Os Bambas do BH. Público “A única coisa que tem que melhorar é a pontualidade. Hoje esperamos exatamente três horas e tive que levar minha filha e netinha em casa porque criança não sabe esperar e acaba dormindo”, reclamou o funcionário público Jonas Sanches, 59 anos, que assistiu às apresentações acompanhado da esposa Maria e da filha Ana Cláudia. Para a secretária Dalva Marques, 41 anos, falta melhorar a organização do evento e aumentar a quantidade de membros nos blocos. Já a diarista Isailda Souza Ramos, 32 anos, que estava acompanhada dos filhos Willian, 6 anos, Henrique, 10 anos, e Islaine, de 12 anos, reclamou do horário de encerramento do desfile. “Termina muito tarde, mas as crianças ficaram querendo desfilar. Ano que vem vou me informar para participar com meus filhos”. A cabeleireira Francisca dos Santos, 45 anos, adiantou o retorno de uma viagem só para assistir ao desfile e levar a cunhada Lucia Freire, que reside em Rondônia, para prestigiar os blocos. “Agora está parecendo carnaval mesmo”, avaliou o advogado José Luiz Bueno Mendes, 56 anos, que afirmou que antes o forte em época de carnaval na Capital era a festa nos clubes.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas