Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

pesquisa

Biólogos descobrem a Serra do Amolar

5 ABR 11 - 10h:20SÍLVIO ANDRADE

 

Trabalhos de pesquisa têm se multiplicado nos últimos anos, contribuindo para desvendar um complexo aquático como o Pantanal, ainda pouco conhecido pela comunidade científica.  Em breve, uma publicação sobre os aspectos ecológicos da Serra do Amolar – uma teia de morraria, lagoas, rios e florestas intocáveis permeada pela Amazônia, Cerrado e Floresta Chiquitanas – vai revelar um mundo vegetal e animal nunca minuciosamente estudado.

Trata-se da coleção biológica, que está montada com pesquisas de campo e catalogação desde 2010, cujo acervo inclui coleta e identificação de exemplares de espécies de plantas, insetos, contramoldes de pegadas de mamíferos e de rochas, nos ambientes da RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Engenheiro Eliezer Batista, situada no Pantanal de Corumbá. A Reserva foi criada em 2008, pela holding EBX, do megaempresário Eike Batista.

A segunda e última fase do projeto coordenado pelo IHP (Instituto Homem Pantaneiro), organização ambiental gestora da RPPN, se encerra nesta terça-feira e resultará em um livro a ser editado até o final do ano como patrimônio da reserva. A coleta do material foi iniciada em julho do ano passado e retomado em março, envolvendo 45 pessoas, a maioria pesquisadores com graduação em ecologia, biologia, botânica, entomologia e zoologia.

Conservacionismo

Na primeira etapa, buscou-se conhecer o meio ambiente da região em um período de seca; agora, o grupo tem um cenário úmido por conta das chuvas, quase diárias, e de uma cheia em formação. Na última semana, integrou a equipe o doutor em zoologia e biólogo Fábio Olmos, um ornitólogo por vocação, que prestará consultoria e tem a função de revisor técnico da publicação. Para ele, a iniciativa amplia os esforços de conservação do Pantanal.

“Estamos falando de uma área única no mundo e de um lugar singular, que é o Amolar, muito bem protegido por um corredor ecológico”, disse Olmos. “A pesquisa resulta também em convencimento e de fortalecer ações e medidas conservacionistas, onde vejo que o setor privado pode ser, e tem provado isso, mais competente do que os governos no ato de conservar ambientes naturais, de produzir resultados, como os que temos visto aqui.”

Participam do projeto profissionais e alunos do Instituto Butantã, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Instituto Carlos Chagas, Universidade Federal de Goiás (UFG), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e da Universidade Federal do Paraná (UFPR), com a coordenação de campo de Camila Aoki e Alessandra Bertassoni, mestres com doutorado em ecologia e conservação. A coordenação geral é da bióloga Viviane Moreira, do IHP.

Espécies raras

Nas duas expedições realizadas dentro da reserva, situada a 180 quilômetros a montante de Corumbá, os pesquisadores coletaram e identificaram 454 espécies de insetos e plantas, incluindo algumas raras, das famílias de aranhas e percevejos. O trabalho é realizado nas trilhas da reserva, nas baias, como a Mandioré, margem do Rio Paraguai e nos morros. Os métodos de coleta incluem armadilhas, iscas para formigas, redes e guarda-chuva entomológicos. 

Para Viviane Moreira, a coleção biológica contribui para fomentar a pesquisa científica dentro da reserva. O livro, segundo ela, estabelece uma relação de respeito com a comunidade científica e motiva a geração da demanda constante, tornando a RPPN Eliezer Batista um centro referencial da pesquisa, base para um banco de dados da biodiversidade do bioma. “Estamos criando um alicerce para pesquisas científicas e atividades educacionais”, disse.

 

Ecossistema tem capacidade de se autoproteger 

O Pantanal, que se estende pelos Estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, ocupando uma área de 250 mil quilômetros no Brasil, é um dos poucos ecossistemas no mundo com capacidade de se autoproteger. A Serra do Amolar, onde se insere a RPPN Eliezer Batista, é “uma possibilidade real de conservação”, define Ângelo Rabelo, policial militar aposentado e atualmente ocupando a gestão ambiental e de licenciamento da EBX.

A reserva, de propriedade da mineradora MMX, foi criada por decreto do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO) em 25 de julho de 2008. Adquirida em 2006, localiza-se na margem direita do Rio Paraguai. Dos 20 mil hectares, 12,6 mil foram transformados em RPPN. A área restante garante a sustentabilidade de famílias de ribeirinhos - a legislação não permite que haja ocupação em unidade de conservação.

A preocupação com a manutenção das comunidades tradicionais é um avanço em se tratando de RPPN no Pantanal, onde não se aplica o modelo para todos os biomas. O Pantanal é um ecossistema preservado e a pecuária extensiva, que data do século 18, é uma atividade econômica comprovadamente sustentável. As reservas que tiraram o homem primitivo e o boi não têm alcançado êxito, e um dos exemplos é a Fazenda Rio Negro, em Aquidauana.

A RPPN Eliezer Batista integra um corredor ecológico de 275 mil hectares formado pelo Parque Nacional do Pantanal, criado nos anos 80, e reservas particulares reconhecido pela UNESCO como Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural Mundial. A região, onde se encontra a reserva foi declarada pelo Ministério do Meio Ambiente como de alta prioridade para preservação da biodiversidade. Situa-se entre o Rio Paraguai e a Baía de Mandioré, fronteira com a Bolívia. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Judiciário e governo buscam reduzir milhões de ações contra o INSS

São abertas cerca de 7 mil novas demandas diariamente contra o órgão
Caixa anuncia financiamento habitacional corrigido pelo IPCA
ECONOMIA

Caixa anuncia financiamento habitacional corrigido pelo IPCA

COMPRA DE ENERGIA

Diretor de Itaipu acredita que acordo com Paraguai sairá em breve

STJ nega recurso e prefeitura deve indenizar moradores por alagamentos
SERRADINHO

STJ manda prefeitura indenizar moradores por alagamentos

Mais Lidas