Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Best-seller Cassandra Clare virá para Bienal do Livro

Best-seller Cassandra Clare virá para Bienal do Livro
04/02/2014 23:00 - FOLHAPRESS


A escritora norte-americana Cassandra Clare, 40, autora da série "Os Instrumentos Mortais", é o primeiro nome internacional confirmado para a Bienal do Livro de São Paulo, que acontece de 21 a 31 de agosto deste ano, no Anhembi. Com mais de 26 milhões de livros vendidos no mundo, sendo 500 mil no Brasil, onde é publicada desde 2010 pelo selo Galera Record, Clare lançará, no primeiro final de semana do evento, a edição impressa de "As Crônicas de Bane".

Da série mais famosa da autora, "Os Instrumentos Mortais", o selo Galera Record já publicou os cinco primeiros volumes o primeiro ganhou versão cinematográfica no ano passado. O sexto e último, "Cidade do Fogo Celestial", foi anunciado para o próximo mês de maio em língua inglesa e deve ser publicado na sequência em português. Nascida no Teerã, no Irã, filha de pais americanos, e batizada Judith Rumelt, Clare passou a infância viajando pelo mundo com a família. Em Los Angeles, ainda na escola, iniciou um romance chamado "The Beautiful Cassandra", baseado na história homônima de Jane Austen. Após a faculdade, atuou como jornalista em revistas de entretenimento.

Ficou famosa na internet antes de lançar o primeiro livro da série "Os Instrumentos Mortais", quando, como escritora de fanfics (ficções criadas por fãs) da série "Harry Potter", ameaçou queimar os livros de J.K. Rowling quando esta disse que Harry e Hermione nunca ficariam juntos dias atrás, J.K. Rowling disse se arrepender de não tê-los juntado. 

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!