Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

RECEITA FEDERAL

Bebidas terão reajuste acima de 10%

23 MAR 11 - 12h:10G1

Cerveja, refrigerante e água devem subir mais de 10% em até 60 dias O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, defendeu a correção anual da tabela dos preços de referência, sobre os quais incidem os tributos, da cerveja, dos refrigerantes e da água, o que pode gerar, também, reajustes dos preços ao consumidor destes produtos todos os anos.

Na semana passada, representantes do setor de bebidas confirmaram, após reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que, dentro de até 60 dias, haverá a correção da tabela em um valor acima de 10%. A tabela, que não era reajustada desde janeiro de 2009, sofrerá um aumento que englobará a inflação acumulada desde a última alteração, no começo do ano retrasado.

"Fizemos uma proposta de investir R$ 7,7 bilhões neste ano, gerando 60 mil novos empregos, para que a tabela não fosse reajustada, mas o governo decidiu fazer o ajuste. O ministro Mantega afirmou que a crise financeira acabou e que agora a vida volta ao normal", disse Milton Seligman, vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv), da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (Abir), e também da Ambev.

Na última semana, Seligman também afirmou que o setor de cerveja do Brasil é um dos que mais paga tributos em todo mundo, e acrescentou que o repasse dos reajustes da tabela, para os preços dos produtos ao consumidor, seria "natural". Já Barreto, da Receita Federal, avaliou que a decisão de reajuste dos preços aos consumidores é "comercial" e compete a cada empresa, visto que o mercado é livre.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que as cervejas, os refrigerantes e as águas tiveram aumentos acima da inflação oficial, desde janeiro de 2009, mesmo sem a correção da tabela de preços de referência por parte da Receita Federal. Neste período, a cerveja subiu 17,3%, enquanto os preços dos refrigerantes e das águas avançaram 16,6%. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência para o BC na fixação dos juros, subiu 12,3% neste período.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

BRASIL

Bolsonaro sanciona lei com crédito suplementar para ministérios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião