Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

emendas

Base quer impedir Dilma de dar calote

16 MAR 11 - 16h:36estadão

Líderes da base se rebelam contra o cancelamento de liberação de recursos incluídos em Orçamentos da União dos últimos três anos por meio de emendas parlamentares, e ameaçam, com isso, o esforço fiscal da presidente Dilma Rousseff. Está em negociação a edição de um decreto para garantir o pagamento do dinheiro de emendas que beneficiam obras nas cidades que são base eleitoral desses deputados.

A minuta do decreto, que pede que a discussão seja "reservada" e "confidencial", está pronta e em negociação com o governo. O texto, ao qual a reportagem teve acesso, mantém a validade dos "restos a pagar" relativos aos orçamentos de 2007, 2008 e 2009. O decreto propõe mudanças na execução dos convênios e contratos com as prefeituras. O motivo de irritação dos aliados é a Caixa Econômica Federal, responsável pelos repasses.

O decreto de 31 de dezembro de 2010 estabelece que os restos a pagar não processados desses anos perderão validade em 20 de abril - exceto despesas da saúde e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Decreto publicado no início do mês fixou um valor máximo para quitar contas deixadas pelo governo Lula - o que exceder o teto não será honrado. Estima-se que os restos a pagar de emendas de 2007 a 2009 somem R$ 60 bilhões e que R$ 33,9 bilhões deixariam de ser quitados.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Foi preciso coragem para publicar MP dos balanços, diz Bolsonaro

BRASIL

'Se for para ser um banana, um poste, estou fora', diz Bolsonaro

Vereador imobiliza funcionário público após flagrá-lo fora do trabalho durante expediente
BRASIL

Vereador imobiliza funcionário público após flagrá-lo fora do trabalho durante expediente

Obras da alça que dá acesso ao Rio Paraguai é prioridade, diz governador
ROTA BIOCÊANICA

Obras da alça que dá acesso ao Rio Paraguai é prioridade, diz governador

Mais Lidas