Barulho provocado por grevistas irrita trabalhadores dos ministérios

Barulho provocado por grevistas irrita trabalhadores dos ministérios
20/08/2012 06:00 - AGÊNCIA BRASIL


Já são três meses de greve dos funcionários públicos federais e, desde o início do movimento, servidores e terceirizados que trabalham nos ministérios têm que conviver com o barulho constante provocado pelas manifestações, passeatas e discursos. Enquanto governo e grevistas não chegam a um acordo, música alta e foguetório compõem um cenário de estresse e irritação que se estabeleceu pelos corredores dos ministérios.

“Há dias não consigo me concentrar nas tarefas, qualquer hora dessas vou cometer um erro tão grande que pode causar a minha demissão”, desabafa a secretária Amanda Sampaio, do Ministério da Saúde.

Essa preocupação parecer ser um sentimento compartilhado por vários outros funcionários. A auxiliar técnica do Ministério do Desenvolvimento Social, Teresa Silva, destaca a dificuldade de trabalhar. “ Não tem como a gente prestar a atenção. A música que eles [os manifestantes] colocam fica na cabaça da gente. É um barulho irritante".

A música alta é a principal reclamação dos trabalhadores. Caixas de sons foram instaladas em frente dos ministérios do Planejamento, da Saúde, do Trabalho, da Justiça e da Agricultura. Samara Araújo, funcionária terceirizada da pasta da Saúde, reclama da monotonia.

“São duas músicas, a do Tiririca [Índia Seus Cabelos] e a do Falcão [Ai! Minha Mãe]. Elas não param de tocar desde a hora em que eu chego, umas 8h, até o fim do dia. É irritante, é para acabar com o psicológico da pessoa”,desabafa.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".