Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BADERNA

Barrados, 30 jovens levam 'rolezinho' ao parque Ibirapuera

Barrados, 30 jovens levam 'rolezinho' ao parque Ibirapuera
18/01/2014 17:00 - FOLHA PRESS


Sem o risco de serem abordados por seguranças ou policiais em shoppings, pelo menos 30 adolescentes fazem hoje um "rolezinho" no parque Ibirapuera, na zona sul de São Paulo.
Não há tumulto no evento, vigiado de perto pela Guarda Civil Metropolitana.

As amigas Leticia, 16, e Beatriz, 15, participam de seu primeiro "rolê", depois de uma experiência frustrada no fim do mês passado. Elas tentaram ir a um rolezinho em um shopping da zona sul de São Paulo, mas, dizem, seus amigos foram tirados do local por policiais e as portas do estabelecimento foram fechadas, o que frustrou a festa.

Para saber quem veio ao "rolezinho" em meio a tantos visitantes do parque em um sábado, Leticia dá a dica. "É quem está arrumado. Não esse povo que veio de chinelo".

Vestidas como gêmeas (sandália gladiador, short jeans curto, blusinha branca, baton rosa e aparelho de cor azul na boca), elas queriam tirar fotos com jovens famosos no Facebook.

"Eles são gatinhos. A gente segue eles no "Face" e quer tirar foto para postar", diz a jovem.

Um dos mais requisitados é Plínio, 17, conhecido como Alemão e um dos organizadores do evento. Esse foi o primeiro "rolezinho" organizado por ele, que é morador do Capão Redondo e tem mais de 5 mil seguidores no Facebook

"No shopping tem muita baderna, gente que vai para roubar, bater. Aqui não tem como acontecer", diz Alemão, que diz ficar tímido com os pedidos das meninas para tirar foto.
O grupo "Os Cafajestes" dançava funk. "A gente dança um pouco, pega as mina e vai para casa, enquanto está de férias", conta Kaique, 16, um dos integrantes do grupo.
 

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.