Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Banqueiros criticam possíveis restrições

23 FEV 10 - 04h:07
O desarme de benefícios que passa a vigorar em abril e a perspectiva de que o recolhimento compulsório sem remuneração voltará aos patamares observados antes da crise é criticado pelos bancos. O economista- chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Rubens Sardenberg, avalia o cenário como “um retrocesso”. “Há um consenso de que o nível dos compulsórios no Brasil é elevado. Voltar com os mesmos patamares anteriores significa ter custos adicionais”, diz. Sardenberg explica que o compulsório maior reduz a capacidade do banco de administrar o dinheiro depositado pelos clientes na instituição. “Isso cria ineficiências no sistema financeiro que implicam em custos adicionais”, argumenta. O custo maior acontece porque o banco precisa “compensar” a menor rentabilidade obtida com o dinheiro recolhido junto ao BC. “Isso é custo que acaba sendo repassado para o cliente”. O economista da Febraban sugere que a equipe econômica use outros instrumentos para, eventualmente, conter a velocidade de expansão da economia e, assim, reduzir pressão sobre os preços. “É melhor usar a política monetária e fiscal”, cita. Para o economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges, o desarme dos benefícios tem grande vantagem para o BC: a eficiência. Ele explica que a interrupção dos estímulos criados na crise tem efeito contracionista mais rápido sobre o crédito que o gerado por eventual aumento da taxa básica de juro, a Selic. “O aperto monetário tem dia e hora para começar. Antes mesmo de qualquer mudança na Selic, bancos vão sentir o aperto da liquidez a partir de abril. A alta na Selic demora pelo menos meio ano para começar a fazer algum efeito”. Sobre o fim do estímulo às provisões extras, o economista- chefe da Febraban avalia que a medida vai prejudicar principalmente os bancos públicos, que têm menor capacidade de alavancar novos crédito pelas regras de Basileia – que determinam o crédito que pode ser concedido conforme o capital do banco. “Por terem menor folga em Basileia, as instituições públicas já estão em processo avançado para aumentar o capital”, diz.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Já campeão, Brasil atropela Itália e termina invicto campanha no Japão
VOLÊI

Já campeão, Brasil atropela Itália e termina invicto

Dois são absolvidos de processo que envolve Puccinelli e Amorim
JUSTIÇA FEDERAL

Dois são absolvidos de processo que envolve André

No elenco de "A Dona do Pedaço", Lucy Ramos vibra com virada da personagem na trama
TELEVISÃO

No elenco de "A Dona do Pedaço", Lucy Ramos vibra com virada da personagem na trama

Balança comercial tem saldo <br>de US$ 2,2 bilhões no ano
MATO GROSSO DO SUL

Balança comercial tem saldo de US$ 2,2 bilhões no ano

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião