Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 24 de fevereiro de 2019 - 02h12min

Bancos estimam inflação e juros em alta em 2010

1 ABR 10 - 21h:09

Em linha com o relatório de inflação divulgado ontem pelo Banco Central (BC), os bancos brasileiros preveem um cenário de pressões inflacionárias e alta de juros em 2010. De acordo com pesquisa da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), as instituições projetam alta de 5,1% no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) neste ano, praticamente a mesma expectativa do BC, de 5,2%.

Essa elevação de preços, segundo os bancos, fará com que o Copom (Comitê de Política Monetária) eleve a taxa básica de juros, a Selic, dos atuais 8,75% para 11,25% até o final do ano. O aperto na política monetária teria início já na próxima reunião do Comitê, em abril, com aumento de 0,5 ponto percentual na Selic.

"A leitura que se faz é de crescimento expressivo da economia, em um cenário de elevação da inflação e consequente aumento dos juros", afirmou Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban. A pesquisa aponta para expansão de 5,5% do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano.

No ano que vem, porém, a combinação de juros mais altos e uma base maior da economia – já que a base de 2009 é bastante baixa por conta da crise financeira – fará com que o ritmo de expansão da economia caia, para 4,5%. A inflação também ficará mais próxima da meta, em 4,6%.

No cenário internacional, a previsão é de aumento dos juros também nos Estados Unidos, onde os Fed Funds (fundos federais de reservas bancárias nos EUA) estão atualmente em banda entre zero e 0,25%. A taxa, segundo os bancos, deve fechar o ano em 0,7%.

 

Crédito

Além disso, o economista-chefe da Febraban afirmou que os números continuam refletindo cenário bastante favorável para a expansão do crédito. A pesquisa aponta crescimento de 20,9% nas operações neste ano, com destaque para a recuperação dos financiamentos com recursos livres, que terão alta de 21,2%, segundo previsão dos bancos – em 2009, a elevação foi de apenas 9,4%.

"Está implícita redução no crédito direcionado. O cenário ainda é positivo, mas haverá queda no ritmo de crescimento deste tipo de financiamento", afirmou Sardenberg.

Entre as pessoas físicas, a previsão é de aumento de 20,4% no crédito, contra 21,8% para as empresas. A inadimplência, de acordo com o levantamento, deve fechar o ano em 4,6%.

O crescimento no país, porém, ainda será fraco neste ano. A previsão é de expansão de 2,4%. "O cenário para os Estados Unidos e a União Europeia continua complicado", disse Sardenberg.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Promotoria abre inquérito após shopping de SP pedir autorização para apreender meninos de rua

BRASIL

Chanceler diz que ação na Venezuela não tem caráter intervencionista

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "Em tempos de Dieta"

VENEZUELA

Maduro discursa para apoiadores e critica ajuda humanitária

Mais Lidas