Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DECISÃO

Banco é condenado a pagar R$ 8 mil por danos morais

17 JAN 14 - 00h:00DA REDAÇÃO

Os desembargadores da 1ª Câmara Cível acataram recurso que solicitava a condenação de uma instituição bancária por danos morais no valor de R$ 8.000.

O autor da ação Ingressou com processo porque teve um cheque em seu nome enviado a protesto, por falta de pagamento.

Entretanto, alegou que o mencionado cheque, pré-datado, foi dado em garantia de negócio de compra e venda de gado, negócio este que não foi concretizado.

Na petição, o lesado ainda informou que  a outra pessoa tinha dado tal cheque em garantia de empréstimo, no próprio banco, descontando antecipadamente o valor e que, quando o negócio da compra de bois foi desfeito, o banco se recusou a devolver o cheque.

O gerente da instituição passou a cobrar o requerente que alegou não possuir relação jurídica com o banco, afinal, o contrato de empréstimo não fora realizado com ele e que nem tinha conhecimento do desconto antecipado do cheque.

O juiz de primeiro grau negou o pedido do autor da ação por acreditar que “o descumprimento ou desfazimento do negócio jurídico que deu origem à emissão do cheque não autoriza o executado a opor ao novo portador exceções pessoais fundadas naquela inadimplência”.

Entretanto, julgando o mérito do recurso, o desembagador Divoncir Schreiner Maran, relator do processo, votou que “o banco não apresentou nenhum argumento capaz de demonstrar o desconhecimento do distrato (…) portanto, considerando o protesto indevido, impõe-se a declaração de sua anulação e gera ao apelante o direito ao recebimento de indenização por dano moral, sendo despicienda a prova do prejuízo cabal”.

Pré-datado

 O uso de cheque pré-datado pode ser aceito na ordem jurídica como costume jurídico, desde que usado como forma de contrato verbal, seja um costume local antigo e que haja boa-fé das partes no negócio.

A legislação brasileira aceita o costume como fonte do Direito (Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, art. 4°, Código de Processo Civil, art. 126), entretanto, para ser aceito como costume jurídico, a tradição deve ser antiga, amplamente utilizada e não possuir autoria do costume conhecida. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputada do PSL cria campanha para Bolsonaro não ir à ONU
POLÍTICA

Deputada do PSL cria campanha para Bolsonaro não ir à ONU

Produto vencido poderá <br>ser trocado por outro grátis
DIREITO DO CONSUMIDOR

Produto vencido poderá
ser trocado por outro grátis

Justiça de SP aceita denúncia contra seguranças por tortura de jovem
BRUTAL

Justiça de SP aceita denúncia contra seguranças por tortura de jovem

Campo Grande recebe evento sobre investimento de imigração nos EUA
INFORME PUBLICITÁRIO

Campo Grande recebe evento sobre investimento de imigração nos EUA

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião