Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Banco do Brasil fecha agência para não pagar R$ 41 milhões

7 AGO 10 - 06h:05
karine cortez

A agência do Banco do Brasil, localizada na Avenida Afonso Pena, esquina com a Rua 13 de Maio, em Campo Grande, permaneceu fechada durante todo o dia de ontem, para evitar a penhora de R$ 41,5 milhões em favor de Edyjaime Eduardo Furtado, conforme decisão do juiz da 5ª Vara Cível, Geraldo de Almeida Santiago, da última quarta-feira. Na tarde de quinta-feira, depois que o expediente já havia terminado, um oficial de Justiça esteve na agência para fazer a intimação, mas foi impedido de entrar no prédio. Temendo que o oficial voltasse hoje ao local, a gerência do banco decidiu fechar as portas e a maioria dos funcionários não compareceu para trabalhar. Apenas alguns orientavam os clientes nos terminais eletrônicos. “Por questão de segurança e para preservar nossos clientes decidimos fechar”, informou ontem, a assessoria de imprensa do Banco do Brasil.
Ainda ontem, no fim da tarde, o desembargador Oswaldo Rodrigues de Melo, da 3ª Turma Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, suspendeu a decisão que obrigava o Banco do Brasil a pagar os R$ 41,5 milhões. A briga que resultou na ação milionária teve início em 1992 e foi interposta pela empresa Giordani Costa Hotéis e Turismo LTDA, na época de propriedade do filho do ex-governador de Mato Grosso do Sul, Harry Amorim Costa, Luis Carlos Giordani Costa que repassou a ação para Edyjaime.

Processo
Consta na sentença do juiz Geraldo de Almeida Santiago, que em 1992, a empresa solicitou empréstimo ao banco por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro Oeste (FCO) para fazer a ampliação do Hotel Pousada Quero-Quero – situada às margens do Rio Paraguai, em Corumbá – e a partir de então, teriam sido praticadas várias irregularidades por parte da instituição credora, inclusive, a não liberação integral dos valores do financiamento.
Ainda conforme o documento, a situação criada pelo Banco do Brasil resultou em problemas pessoais para Luis Carlos abalando o relacionamento dele com o cunhado, sogro e sogra. Além disso, consta que para viabilizar a conclusão da obra do hotel, os proprietários tiveram que recorrer a novos empréstimos em outras instituições financeiras e depois tiveram que se desfazer da propriedade. A ação esta correndo desde 2005, e já gerou vários processos na Justiça. O Banco do Brasil sempre recorre das decisões para não pagar a ação milionária.
Até mesmo uma audiência de reconciliação foi realizada, mas nenhum representante do Banco do Brasil compareceu.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORREIO DO ESTADO

Confira nosso editorial desta segunda-feira: "Importância da ferrovia"

ARTIGO

Fausto Matogrosso: "Solene isolamento"

OPINIÃO

Antonio Carlos Siufi Hindo: "Indicação para a secretaria nacional de Cultura"

Promotor de Justiça aposentado

Felpuda

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião