Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FARSA

Bancária aposentada perde R$ 26 mil no golpe do bilhete premiado

Bancária aposentada perde R$ 26 mil no golpe do bilhete premiado
29/10/2010 00:02 - DA REDAÇÃO


O golpe do bilhete premiado fez mais uma vítima em Dourados. Desta vez foi uma bancária aposentada de 51 anos registrou queixa na Delegacia da Polícia Civil por ter perdido R$ 26 mil. Ela foi abordada pelos golpistas na Rua Olinda Pires, atrás do colégio Imaculada.

Um senhor abordou a aposentada e disse que precisava de orientação para encontrar uma loja, onde um homem o ajudaria a receber um prêmio de loteria no valor de R$ 20 mil. Enquanto falava, um casal de boa aparência e simpático se aproximou e perguntou se precisavam de ajuda.

O primeiro homem contou o caso. O outro pegou o bilhete, fez alguns telefonemas e disse que o prêmio era de R$ 26,9 milhões. O suposto ganhador disse que se os três o ajudasse, ele daria R$ 900 mil para cada. O trio e a vítima foram ao banco, onde ela sacou R$ 26 mil para deixar como garantia.

De acordo com a polícia, ela ficou com os estelionatários das 8h às 12h, de um lado para outro da cidade. Num dado momento, ela deixou os R$ 26 mil com o casal e quando o homem foi ao banheiro não voltou mais. Foi quando a vítima percebeu que tinha caido no "conto do bilhete premiado" e procurou a delegacia.

Conforme a polícia, a vítima já conhecia o golpe, mas disse que o fato aconteceu de forma tão envolvente que ela não percebeu a armação. A polícia investiga o caso.

 

Com informações do Dourados Agora

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...