Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

Balanço e câmbio vão se adequar em 2 anos

3 OUT 2010Por Francisco Carlos de Assis (AE)01h:57



A deterioração do saldo comercial e da conta corrente do balanço de pagamentos e a valorização cambial são compatíveis com a dinâmica de uma economia que saiu primeiro da crise mundial e que cresce a quase 4 pontos porcentuais acima da média do crescimento mundial. Sem contar a elevada taxa de juros praticada no Brasil. A volta à normalidade dessas três variáveis econômicas só ocorrerá daqui a uns dois anos, por volta de 2012, quando a economia brasileira crescerá a uma taxa de 4,5% ao ano e a economia mundial deverá se expandir a uma taxa média anual superior a 4%, o que demandará taxas de juros pouco mais altas no exterior. Essa é a expectativa de analistas.
Neste ano, por exemplo, segundo lembra o analista da Tendências Consultoria Integrada Bruno Lavieri, com o Produto Interno Bruto (PIB) crescendo à razão de 7,2% – expectativa da consultoria –, a média de crescimento mundial atingindo no máximo 4%, o câmbio valorizado e o Brasil ostentando uma das maiores taxas de juros do mundo (10,75%), torna-se mais difícil o surgimento de bons resultados no âmbito do comércio exterior e conta corrente. Neste momento, o cenário é amplamente favorável às operações de carry trade, em que investidores tomam dinheiro emprestado a taxas de juros baixas no exterior e o aplicam em real no Brasil para ganhar com a elevada taxa de juros doméstica.

Leia Também