Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Balança comercial registra saldo de US$ 668 milhões em fevereiro

3 ABR 10 - 00h:05
Edna Simão (AE)

Apesar do recorde mensal das exportações e importações, o saldo da balança comercial em março foi o mais baixo para o mês desde 2002. No mês passado, as vendas brasileiras para o mercado externo totalizaram US$ 15,727 bilhões. Já as aquisições somaram US$ 15,509 bilhões. Com isso, o superávit comercial fechou o mês em US$ 668 milhões. Em março de 2002, esse saldo positivo foi de US$ 603 milhões. No trimestre, o superávit comercial soma US$ 895 milhões, o que representa uma redução de 70% em relação aos três primeiros meses de 2009.

O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Welber Barral, explicou que o superávit comercial em março, apesar de baixo, não é ruim. O resultado reflete o forte aquecimento da economia doméstica e a taxa de câmbio favorável às importações. Enquanto as exportações em março cresceram 27,4% (média diária), as importações subiram 43,3%. No mês de abril, dependendo do comportamento das importações, o saldo comercial poderá ser um pouco mais alto, pois a exportação começará a ser influenciada pelo escoamento da safra agrícola.

“O ritmo das importações está alto, mas não é diferente do que acontece desde o início do ano. O aumento é basicamente por matérias-primas e insumos que são itens importantes para a indústria brasileira”, explicou Barral. Com o descompasso entre oferta e demanda, já identificado pelo Banco Central, o caminho para evitar um aumento ainda mais forte da inflação será a ampliação ainda maior das importações, o que influenciará diretamente o saldo comercial.

Para o secretário, o ritmo de crescimento das compras de produtos estrangeiros não surpreende. “A estrutura cambial gera um incentivo para as importações”, ressaltou Barral. As importações de matérias-primas e insumos registraram aumento de 56,4% de 2009 para 2010, considerando a variação da média diária.

A preocupação é com a competitividade dos produtos brasileiros. Mas, pelo menos por enquanto, não tem sido atingida de forma significativa. Isso porque, mesmo com o dólar desfavorável para alguns setores do comércio exterior, o Brasil está recuperando alguns mercados, onde a participação havia sido reduzida por conta dos efeitos da crise econômica mundial. O país conseguiu ampliar suas exportações, principalmente, para a América Latina e Caribe, Ásia e Europa Oriental.

Considerando a variação da média diária exportada, houve um aumento de 63,5% de 2009 para 2010 para a América Latina, de 29,7% para a Ásia e de 66,2% para a Europa Oriental. Os principais produtos vendidos foram o petróleo, carne bovina e de frango, farelo de soja e café em grão.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Justiça nega pedido para instalação de barreiras contra o óleo no litoral de Sergipe

BRASIL

Palácio tenta 'trégua' com ala bivarista

BRASILEIRÃO 2019

Presidente do Santos quer reunião com Ceará para repudiar atos racistas

Bombeiros encontram corpo de 8ª vítima de desabamento em Fortaleza
BRASIL

Bombeiros encontram corpo de 8ª vítima de desabamento em Fortaleza

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião