Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Avicultura dribla crise e cresce 6% em MS

24 JAN 10 - 06h:42
Apesar da crise internacional, que derrubou em 10,3% o faturamento as exportações de aves no ano passado, a avicultura sul-mato-grossense conseguiu manter-se firme no mercado. O número de abates cresceu 6%, totalizando 115,9 milhões de frangos, diante de 109 milhões industrializados em 2008. Para este ano, a previsão é ainda mais otimista com expansão de 13%, chegando a 130 milhões de aves abatidas nas cinco plantas frigoríficas instaladas em MS. A média mensal de abates se manteve acima de 8 milhões de aves, chegando no auge em julho, quando foram processadas no Estado 11 milhões de unidades. Atualmente, o Estado conta com 805 famílias de produtores integrados e 1.265 aviários. De acordo com o coordenador do Agronegócio em Pecuária da Secretaria de Estado da Produção e do Turismo de Mato Grosso do Sul (Seprotur), Rubens Flávio Mello Corrêa, o bom desempenho tem uma razão: o setor sobreviveu com competência à crise econômica. “Se lembrarmos do histórico da avicultura, é uma cadeia do agronegócio superindependente. Eles fizeram o marketing do frango, sozinhos, sem intermediação do Governo, se organizaram. Passaram pedaços ruins, mas hoje estão estrutururados, ecologicamente bem, politicamente bem e tecnicamente bem”, avalia o coordenador. Corrêa destaca ainda que a avicultura tem um mercado forte e credibilidade. “Eles trabalham muito em função da UBA (União Brasileira de Avicultura), que traça as estratégias, dá o norte para os avicultores seguirem”, frisou. O coordenador do Agronegócio ainda lembra que a cadeia da avicultura é muito organizada e ágil. “Se o mercado tem uma tendência de consumir frango pequeno, eles abatem a produção com menos idade. Se o mercado quer frango de 3 quilos, eles deixam mais alguns dias e chegam no peso que eles querem. A atividade é muito dinâmica, muito rápida”, acrescenta. Dificuldades Na avaliação do presidente da UBA, Ariel Mendes, o grande problema do setor no ano passado foi no âmbito das finanças. “As empresas avícolas trabalharam o ano de 2009 no vermelho. O faturamento com as exportações caiu, fazendo com que o País perdesse mais de US$ 1 bilhão em receita”, frisou. Em Mato Grosso do Sul, onde 90% da produção dos maiores abatedouros do Estado é destinada à exportação, o volume exportado aumentou e chegou a 121 milhões de quilos, diante de 112 milhões de quilos de 2008 que representou, no entanto, faturamento de US$ 216 milhões para o setor, montante inferior aos US$ 241 milhões obtidos no ano retrasado. A fatia representa 12,1% das exportações totais. Ele destaca ainda que a questão do crédito também foi um problema. “No ano passado, até obtivemos expansão do limite de crédito, mas o setor não conseguia a liberação dos financiamentos em função de uma cautela desnecessária por parte das instituições bancárias. Para completar, um câmbio desfavorável e preços baixos no mercado interno e externo reduziram de forma considerável o fluxo de caixa do setor”, acrescentou. Enquanto a avicultura encontrava dificuldade com as questões cambiais, outros segmentos se favoreciam. Assim aconteceu com os supermercados, que compraram ao longo do ano um frango mais barato e não repassaram desconto algum para os consumidores, segundo os avicultores. Em média, a margem de lucro destes estabelecimentos foi de 50% no frango inteiro e de até 100% nos cortes, avalia o presidente da UBA.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASILEIRÃO

Regularizado, Nenê pode estrear na vaga de Ganso

clássico entre Flu e Vasco será sábado
REFORMA TRIBUTÁRIA

Governo quer reduzir alíquota do IR para máximo de 25%, diz Bolsonaro

CASO DO TRIPLEX

PGR envia ao STJ parecer contra anulação da condenação de Lula

Excesso de café aumenta chance de pressão alta em pessoas predispostas
PESQUISA

Excesso de café aumenta chance de pressão alta em pessoas predispostas

Mais Lidas