Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Autoridades chinesas investigam venda de crianças

11 MAI 2011Por aeiou07h:00

A sociedade chinesa segue atentamente as notícias que dão conta da venda de menores na província de Hunan. A política de um filho por família entrou em vigor na China em 1982.

As autoridades investigam os relatos de populares que desconfiam que pelo menos 20 crianças tenham sido vendidas por causa da lei que obriga as famílias a ter apenas um filho.

A política de um filho por família entrou em vigor na China em 1982, para controlar o crescimento populacional no país, que atualmente tem 1,35 bilhões de habitantes.

A polícia desconfia que os pais entregaram os filhos a orfanatos e a instituições de solidariedade por não possuírem dinheiro suficiente para pagar a multa de 640 euros.

A agência Reuters recorda o caso publicado na revista chinesa Caixin Century. Tudo aconteceu em 2005 quando jornalistas desta publicação contaram a história do casal Yang Libing e Cao Zhimei. A filha foi levada por fiscais enquanto os pais trabalhavam numa cidade próxima. Passados quatro anos, em 2009, o casal reconheceu a filha através de fotografias publicadas no jornal Los Angeles Times.

As crianças teriam sido vendidas para orfanatos locais, registadas como órfãs, e adotadas por famílias estrangeiras.

Entre 2000 e 2005, a agência de planeamento familiar de Hunan teria vendido pelo menos 12 menores para um orfanato da cidade de Shaoyang por um preço próximo dos 120 euros por criança. O orfanato, por sua vez, teria recebido cerca de dois mil euros por cada menor adotado por uma família estrangeira.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também