Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEM PROVAS

Autódromo tem <br>pior ano desde <br>a sua fundação

Autódromo tem <br>pior ano desde <br>a sua fundação
02/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


O Autódromo Internacional de Campo Grande teve em 2013 a pior temporada desde que foi inaugurado, em agosto de 2001. No ano passado, nenhuma prova do automobilismo nacional aconteceu no local e, segundo a Federação de Automobilismo de Mato Grosso do Sul, a perspectiva para este novo ano não muda, de acordo com matéria de hoje (2) no jornal Correio do Estado. “Infelizmente este cenário deve se repetir, pois não vejo a mínima intenção por parte da prefeitura de Campo Grande de fazer as melhorias necessárias para receber provas”, lamentou o presidente da federação, Valdemir Terra. Segundo o dirigente, no ano passado foram feitas muitas tentativas junto a Fundação Municipal de Esportes (Funesp), mas todas em vão.

Para voltar a ser sede de grandes provas, o poder público precisa resolver a principal reclamação dos pilotos, que é no melhoramento da condição da pista, porém Terra garante que conversando as obras podem ser realizadas aos poucos.“Sei que o recapeamento de toda pista e o muro de proteção entre as duas retas, que gera maior reclamação de pilotos e organizadores de provas, custa caro, mas pode ser feito devagar.

Mas pelo jeito nem vontade de tocar o projeto existe e aquilo lá (o autódromo) vai acabar abandonado mais uma vez, infelizmente”, desabafou o dirigente. Por outro lado, a diretora-presidente da Fundação Municipal de Esportes (Funesp), Leila Machado, garante que a história será diferente neste ano. A reportagem é de Jakson Pereira.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?