Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Aulas on-line

5 JUL 10 - 06h:28
Em primeiro lugar que fique bem claro que não sou contra o uso da tecnologia na educação, desde que essa ferramenta seja conduzida com maestria. Todavia, a questão de inúmeras instituições de ensino superior utilizarem a web para o ensino da Língua Portuguesa, intriga-me. Também não quero, aqui, externar que outras disciplinas sejam menos importantes. O caso é que, como trabalho há três décadas com a Língua Portuguesa, sinto-me indignado pelo destino duvidoso a que está sendo conduzido o ensino de nossa língua, nos cursos de graduação, sob os mais variados nomes, como se existisse um idioma para Ciências Contábeis, um para Administração, outro para Direito etc. Ora, a Língua Portuguesa é somente uma. Quem é competente, linguisticamente, produz bons textos em todas as áreas do conhecimento, conforme o grande mestre, Napoleão Mendes de Almeida.
Porém, esse não é o foco de minha indignação. Vejamos.
Por que certas disciplinas serem presencias e outras não? Por que alguns cursos como, por exemplo, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, a Língua Portuguesa, com suas nuanças, ser on-line se ela é, essencialmente, o modo pelo qual os futuros profissionais garantirão seus sustentos?
Aulas on-line impedem tantas coisas boas! Às sextas-feiras, após as aulas, os acadêmicos convidavam-me para boas e descontraídas conversas. O interessante é que esses acadêmicos eram os mais prestativos, os mais respeitosos da sala. Os laços, portanto, ficavam mais fortes. E como ficam as interpretações textuais que precisam do repertório do leitor para decodificar o texto? Nesse caso, um bom professor, com habilidade, com envolvimento, com brilho nos olhos é capaz de fazer ótimas intertextualidades.
    Lembro-me de uma oportunidade em que determinada instituição proporcionou-me essa interação, por meio de duas horas-aula. Nelas, reunia-me com acadêmicos, a fim de conversarmos sobre os textos deles que seriam disponibilizados no jornal da instituição. A conversa era em particular e eu apontava questões como coesão, coerência e outras. Havia fila para a revisão. Bela contextualização! O estudante encontrava sentido para a produção textual.
 Há instituições de ensino, pelo Brasil, que dispensarão muitos professores doutores, mestres das aulas on-line para depois colocar no lugar, sabe Deus quem, já que professores competentes, críticos e conscientes não se sujeitarão a essa manipulação do ensino.
Minha preocupação com nossa última Flor do Lácio reside, pois, na forma como vem sendo ensinada e, sobretudo, com a desvalorização profissional.
Onde está a tal humanização do ensino tão preconizada por Edgar Morin e Mauro Maldonato?

 Gílson Demétrio Ávalos, Mestre em Educação
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Justiça mantém Jamil Name na prisão
MILÍCIA ARMADA

Justiça mantém Jamil Name na prisão

PACOTE

Lei anticrime entra em vigor hoje

Projeto foi sancionado pelo governo em 24 de dezembro de 2019
Novos conhecimentos
TELEVISÃO

Novos conhecimentos

Coluna com dicas e novidades <br>sobre automóveis
CARMAIS

Coluna com dicas e novidades
sobre automóveis

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião