PONTOS FACULTATIVOS

Aulas dos dias de jogos não serão repostas

Aulas dos dias de jogos não serão repostas
01/07/2010 06:37 -


DANIELLA ARRUDA | KARINE CORTEZ

As aulas das escolas municipais e estaduais que foram suspensas em decorrência dos jogos da seleção brasileira durante a Copa do Mundo – nos dias 15, 25 e 28 deste mês – não serão repostas, conforme informações das secretarias estadual e municipal de Educação. Amanhã, quinto jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo, desta vez pelas quartas de final contra a Holanda, fecham as 362 escolas estaduais de Mato Grosso do Sul e as 93 unidades de ensino municipais de Campo Grande, acompanhando pontos facultativos decretados pelo Governo do Estado e pela prefeitura da Capital.

Segundo dados das secretarias, em lugar das atividades em sala de aula, os estudantes estão recebendo aulas programadas, com atividades realizadas em casa. O superintendente de políticas de educação da Secretaria de Estado de Educação, Roberval Ângelo Furtado, explica que a metodologia de aula programada já existe há 10 anos e só é aplicada em casos de extrema necessidade, entre eles a formação de professores e em casos mais raros, a Copa do Mundo.

“O aluno leva para casa o material das aulas correspondente às disciplinas que seriam ministradas no dia em que foi dispensado. Ele tem que devolver essas atividades devidamente preenchidas, para então ter a frequência atribuída ou não”, explicou. O mesmo procedimento é adotado nas escolas municipais da Capital. Quando os jogos da seleção brasileira ocorrem às 10h, caso de amanhã, a dispensa dos alunos ocorre em todos os períodos.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".