ECONOMIA

Audiência vai debater fábrica de fertilizantes

Audiência vai debater fábrica de fertilizantes
20/03/2010 03:17 -


O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Reinhold Stephanes, e o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, participam de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) para discutir a criação de empresa estatal destinada a produzir fertilizantes no país. A reunião está marcada para a próxima terça-feira (23), às 9h30min. A intenção de criação da estatal de fertilizantes foi divulgada à imprensa nas últimas semanas. Pela exposição de motivos constante de anteprojeto que Reinhold Stephanes e Edson Lobão pretendem encaminhar à Presidência da República, a empresa de fertilizantes – que poderá ser chamada de Febrasa – com sede em Brasília, terá como objetivo a redução do preço dos fertilizantes no país em dois anos. A administração da empresa ficará a cargo de um conselho de administração, uma diretoria-executiva e um conselho fiscal. De acordo com dados de 2009 da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), o Brasil consome 24,6 toneladas de fertilizantes por ano, mas produz apenas 8,8 milhões de toneladas. Os 15,8 milhões de toneladas restantes têm que ser importados, o que representa gasto anual de R$ 14 bilhões. A situação mais grave, segundo a CNA, envolve o potássio, insumo que exige mais de 90% de importação para suprir a demanda nacional. O cloreto de potássio, que foi negociado a menos de R$ 800 por tonelada no começo de 2003, atingiu pico de R$ 1,8 mil por tonelada em fevereiro de 2009. O Brasil tem importante jazida de potássio na Amazônia, a qual até o momento não foi explorada devido à logística complicada e à necessidade de elevados investimentos.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".