ECONOMIA

Audiência pública mostra impacto ambiental

Audiência pública mostra impacto ambiental
15/09/2010 13:51 -


O monitoramento dos efluentes, assim como as medidas para diminuir os impactos ambientais em relação à água, os impactos sobre a vida animal e vegetação da região onde será implantada a fábrica e todas as questões que envolvem meio ambiente estão entre os itens pontuados no EIA/Rima que a Petrobras protocolou junto ao Imasul e vai ser discutido em audiência pública, amanhã, em Três Lagoas.
O evento será realizado a partir das 19h no Centro de Eventos Leiloado, localizado no anel viário, na BR-262. A Audiência Pública atende às resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente, da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMAC), da administração municipal e tem como finalidade informar a população sobre os impactos do novo empreendimento no município. Sem a audiência, os órgãos ambientais não fornecem licenças prévias, para início das obras.
A Petrobras colocou ônibus à disposição da população, em seis pontos, incluindo a cidade de Brasilândia, para acesso ao local da audiência. O EIA/Rima está à disposição da população, no Imasul.
A UFN III deverá produzir cerca de duas mil toneladas de amônia por dia e 3.600 de uréia, tornando-se a maior fábrica de fertilizantes nitrogenados do Brasil. O fertilizante é um dos principais insumos para o crescimento e melhoria da produtividade agrícola nacional. Atualmente, o Brasil importa 70% dos insumos que consome. Ainda de acordo com o EIA/Rima, serão gerados 5 mil postos de trabalho durante a construção e pouco mais do que 505 empregos na fase de operação.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".