ECONOMIA

Audiência debate a situação financeira da Cooagri em Dourados

Audiência debate a situação financeira da Cooagri em Dourados
10/02/2010 22:47 -


Uma audiência pública está marcada para a sextafeira, no auditório do Fórum de Dourados, para que associados, credores e funcionários da Cooperativa Agropecuária e Industrial (Cooagri) conheçam, oficialmente, a sua situação financeira e o processo de liquidação judicial. O evento começará às 13h30min. A decisão de convocar essa audiência foi do juiz da 2ª Vara Cível, José Carlos Souza, encarregado do processo de liquidação da Cooagri e já informada ao liquidante nomeado, Gilberto Bernardi. A dívida apurada é de aproximadamente R$ 240 milhões, enquanto o seu patrimônio gira em torno de R$ 90 milhões. Como noticiado ontem pelo Correio do Estado, o juiz autorizou, em despacho assinado no começo da noite de segunda-feira, o arrendamento dos 18 armazéns da Cooagri para um grupo de cooperativas agrícolas do Paraná e à trading norte-americana ADM, por R$ 12 milhões pelo prazo de três anos. Com isso, elas já poderiam receber a soja desta safra. Destino Os detalhes do processo de liquidação serão dados pelo juiz do caso, já que é grande o interesse sobre o destino dos bens da Cooagri, então a maior cooperativa agrícola do Estado, com quase quatro mil associados em várias regiões e detentora de uma das maiores infraestruturas de armazéns do Estado. Souza explicou ainda que na sexta-feira os credores poderão habilitar seus créditos ou contestar os números constantes no processo de liquidação – apurados a partir do trabalho de Bernardi, que acumula mais de 20 volumes. (CF)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".