Sexta, 15 de Dezembro de 2017

Audi A3 Sedan chega ao Brasil mais barato e potente para superar Mercedes CLA

31 JAN 2014Por r711h:30

O inédito Audi A3 Sedan já está confirmado para retomar a produção nacional da marca em São José dos Pinhais (PR) no segundo semestre de 2015. A fabricante, porém, resolveu não esperar e já começou a vender o seu primeiro sedã compacto, que está sendo oferecido por um preço promocional de R$ 116,4 mil com motor 1.8 de 180 cv e câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas.

Agressivo, o pacote do A3 Sedan no Brasil mira nos calcanhares do seu único rival no momento, o Mercedes-Benz CLA. A favor do Audi estão o preço (R$ 34,1 mil mais barato) e o desempenho (24 cv mais potente). Não é à toa, a marca estima vender 3.500 carros em 2014 — mais que o dobro do esperado pela Mercedes para o CLA.

Mais do que uma traseira
Apesar do visual indicar o contrário, o Audi A3 Sedan é mais do que uma versão três volumes do A3. Segundo a marca, externamente apenas algumas peças (como faróis e grade do radiador) são as mesmas entre os dois modelos. Por dentro as mudanças são ainda maiores e impactaram — ainda que discretamente — até o entre-eixos, ampliado em 1 mm no sedã. Mérito da plataforma modular MQB, também adotada no Volkswagen Golf. O assoalho traseiro foi reformulado para permitir um porta-malas de 425 litros (45 litros acima do Sportback).

Quase 15 cm mais comprido, 9 mm mais baixo e 1,1 cm mais largo do que o hatch, o Audi A3 Sedan segue a receita dos sedãs esportivos com cara de cupê. Segundo Markus Gleitz, coordenador de design exterior da Audi, o modelo nasceu da mistura de um sedã tradicional com um cupê; ambos os conceitos foram apresentados à imprensa durante o lançamento oficial do modelo em São Paulo.

Superior nos detalhes
O interior do A3 Sedan é idêntico ao de sua versão hatch, com destaque para o sistema (opcional) multimídia com GPS e um botão giratório com superfície sensível ao toque. Inaugurado na marca pelo A8, o dipositivo permite ao motorista "desenhar" cada letra sobre o comando, permitindo colocar endereços no sistema sem precisar tirar os olhos da pista. Custando R$ 9,9 mil extras, o sistema dá um banho no equivalente do CLA, mais simples e com tela fixa — no A3 ela é eletricamente retrátil.

O console mantém a sobriedade típica dos alemães, com ousadias restritas aos botões na parte central (similares às de antigos aparelhos toca-fitas) e aos apliques de alumínio no painel forrado por materiais emborrachados. O volante com base achatada é similar ao do Golf e comanda o computador de bordo e sistema de som. O controlador de velocidade é uma das poucas faltas no quesito equipamento — o sistema é oferecido como acessório pelos concessionários.

Empurra e puxa
Com mais mimos eletrônicos do que seu rival, o Audi A3 Sedan tem, do ponto de vista dos puristas, apenas um defeito: o motor 1.8 de 180 cv gira as rodas dianteiras, assim como o 1.6 de 156 cv do Mercedes-Benz CLA.

A diferença, contudo, é pouco perceptível no uso civilizado do carro. Progressivo, o motor entrega um bom desempenho em todas as faixas de rotações, ainda que sua condução seja mais divertida com o conta-giros acima dos 2.500 rpm. No limite, como é esperado, o carro tem tendência de sair de frente, situação onde o controle de estabilidade (com vetorização de torque) toma as rédeas e impede que os sete airbags sejam acionados.

Com embreagens a seco, a transmissão automatizada de sete marchas do A3 Sedan gera pouco ruído em pisos esburacados — situação onde o Audi pena um pouco para absorver os impactos. Segundo a marca, a versão adaptada para o Brasil não ganhou uma versão mais macia da suspensão, normalmente usada em países com piso (ruim) similar ao encontrado por aqui.

Os poucos chacoalhões (especialmente em lombadas) provocados nos ocupantes do A3 Sedan são compensados pela estabilidade primorosa em pisos lisos e no uso rodoviário. Avaliado em uma sinuosa estrada na região de Itu (SP), o compacto empolgou, especialmente no modo esportivo do gerenciamento eletrônico do motor, câmbio e direção.

Frugalidade alemã
Equipado com um sistema de injeção dupla (direta e indireta), o motor 1.8 impressiona também no consumo: segundo o Inmetro, são 14 km/l de consumo rodoviário e 9,6 km/l, dando ao modelo a nota B em seu segmento no programa de etiquetagem. Mesmo mais fraco, o Mercedes CLA "bombou" e tirou nota D.

Tão econômico e divertido quando o hatch Sportback, o A3 Sedan patina em um ponto importante no segmento: o espaço para quem vai atrás. Ainda que dois adultos viagem com um bom conforto nos assentos laterais, o teto baixo e o elevado túnel central dificultam a disputa com modelos maiores (e com preço similar), como Kia Optima e Nissan Altima.

Cartão de visita
Ainda que enfrente o fantasma do reajuste próximo (o valor promocional não inclui o aumento do IPI, previsto para ser repassado em março), o Audi A3 Sedan será uma das principais armas para o crescimento da marca no País. Atualmente a empresa é a lanterna do trio formado por Mercedes e BMW no mercado premium brasileiro.

O sedã, porém, é o "primeiro de muitos". No mês que vem virá o S3 Sportback (com 300 cv), seguido por sua versão três volumes em março e pelo inédito conversível em junho. A enxurrada de lançamentos prepará o mercado para o retorno do A3 à fábrica paranaense da VW/Audi em 2015, com preço mais camarada e motor 1.4 turbo flex.

Leia Também