POLÍTICA

Ator morre aos 25 anos vítima de câncer

Ator morre aos 25 anos vítima de câncer
07/03/2010 07:36 -


Com apenas 25 anos o ator Dener Pacheco foi mais uma das vítimas do câncer no Brasil. O ator, que interpretou o personagem Renam em “Caras e bocas”, morreu na madrugada deste sábado, no Rio de Janeiro. De acordo com informações da Central Globo Comunicação e assessoria de imprensa do ator, na quintafeira ele foi internado com fortes dores no abdômen. De acordo autor da novela, Walcyr Carrasco, antes de Dener entrar para trama já havia retirado um tumor da garganta. Nos últimos meses apareceu indícios de metástase da doença em outros órgãos como pulmão e estômago. O catarinense, que morava no Rio desde agosto de 2009, integrou o elenco da novela “Caras e bocas” e contracenou com as atrizes Isabelle Drummont, Sophie Charlotte, entre outras. A trama ficou no ar até janeiro deste ano. Em sua página no twitter, Walcyr Carrasco relembrou as últimas conversas que teve com o ator. “Perguntei ao Dener se era maligno [o câncer] e na época ele não respondeu, julguei que não era. Mas hoje penso que ele já sabia...”, conta. “Durante as gravações teve alguns problemas de saúde, mas não liguei uma coisa à outra”, escreveu Walcyr. O corpo de Pacheco será enterrado hoje, em Tubarão (SC), sua cidade natal. De acordo com a assessoria do ator, a família está muito abalada e não quis se pronunciar.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".