Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Ator Marcos Palmeira é assaltado, perdoa e tira foto com ladrão

Ator Marcos Palmeira é assaltado, perdoa e tira foto com ladrão
14/01/2014 19:36 - R7


O ator Marcos Palmeira foi assaltado no município de Itororó, a 500 km de Salvador. O caso ocorreu no domingo (12) e o ator teve uma bolsa, com alguns pertences que estava no carro, roubada.

O assaltante foi detido por um guarda municipal. Ele foi levado para a delegacia da cidade e devolveu os pertences do ator.

Por falta de escrivão e delegado na unidade policial do município, Palmeira não registrou a ocorrência e acabou perdoando o bandido, Lucas Couto Cardoso, 30 anos, que chorou muito e se desculpou com o ator.

O delegado Marcus Vinícius de Moraes Oliveira, titular da 21ª Coorpin (Coordenadoria Regional de Polícia do Interior), com sede em Itapetinga, anunciou, nesta segunda-feira (13), que a Delegacia Territorial (DT) de Itororó vai abrir inquérito para apurar as circunstâncias do roubo.

— Trata-se de um crime de ação pública incondicionada, que independe da vontade ou não da vítima em registrar a ocorrência.

O delegado lamentou o fato do ator não ter feito o registro da queixa no Plantão Policial, que funciona, há 10 anos, todos os fins de semana, na sede da Coordenadoria, em Itapetinga, distante 25 km de Itororó.

A Delegacia de Itororó, assim como outras delegacias de menor porte da região, trabalha em regime administrativo, de segunda a sexta-feira, e as ocorrências, nos fins de semana, são direcionadas para Itapetinga.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?