Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Ator defende agricultura sem agrotóxicos

Ator defende agricultura sem agrotóxicos
26/07/2010 06:44 -


Maurício Hugo

“O produto orgânico, cultivado sem veneno, não é uma alternativa, ele é o viável que vai garantir a sustentabilidade. É necessário mudar a mentalidade dos produtores na busca do equilibrio nas propriedades rurais”, afirmou Marcos Palmeira que, além de ator de novelas na televisão e da participação em vários filmes, é um produtor rural no município de Teresópolis, no Estado do Rio de Janeiro.
O ator e produtor, que participou da Feira do Empreendedor, promovida pelo Sebrae/MS, em Campo Grande, na semana passada, destacou na sua palestra na feira que o que traz a doença, a praga nas lavouras é o mau manejo. Acompanhado do engenheiro-agrônomo do Senegal, Aly Ndiaye, Marcos Palmeira falou em como tem produzido hortaliças, legumes, frutas e leite e seus subprodutos, de forma orgânica, sem utilização de fertilizantes químicos e nem defensivos agrícolas.
O agrônomo senegalês, que trabalha com Marcos Palmeira há pelo menos sete anos, foi o criador do Programa de Agroecologia Integrada Sustentável (Pais), hoje empregado inclusive nos projetos para pequenos produtores e assentados no município de Campo Grande.
“Nós iniciamos com o sistema Pais, que é o plantio de várias verduras e legumes em círculo, tendo um galinheiro ao centro, e frutas em volta”, explicou Aly. E Palmeira complementa, “e com o tempo fomos ampliando as áreas utilizando os mesmos princípios”. Ele destacou, por exemplo, que a produção de esterco do galinheiro vai para a agricultura, e representa um adubo natural. “As galinhas também servem para comer os carrapatos das vacas leiteiras, ou mesmo no chão, combatendo esse que seria um problema para a pecuária leiteira”, explicou.
Monocultura é sinônimo de problemas, por isso não condiz com o espirito dos produtores de orgânicos que, ao contrário, promovem a diversificação. “É a diversificação e o manejo natural de tudo que promove o equilíbrio na propriedade e a sustentabilidade”, afirmou o ator, com o endosso do seu agrônomo. Segundo este, é fundamental que na propriedade se fertilize o solo com materiais orgânicos, e nada mais, também é importante irrigar na hora certa as culturas, sejam folhosas, legumes ou frutas. “Também tem que se irrigar com a quantidade certa, os cuidados com o manejo são importantes”, afirmou Aly Ndiaye.

A fazenda e a produção
A propriedade de Marcos Palmeira tem 300 hectares. Está há 15 anos sob a direção e os cuidados dele. “Mas o projeto de orgânicos tem 13 anos”, explica ele. Para as atividades agrícolas são utilizados hoje 30 hectares e 80 hectares para pastagens onde é desenvolvida a pecuária leiteira.
Inicialmente foram cultivados quase 100 produtos diferentes, e feito um acompanhamento de quais se adaptariam melhor ao clima de Teresópolis, e ao tipo de solo e vegetação locais. “Hoje são 30 produtos entre verduras, legumes, frutas e leite e derivados”, explica Palmeira. Entre esses 30 produtos há abacate, pocã, laranja-lima, alface, rúcula, agrião, brócolis, espinafre, cenoura entre outros. E a propriedade, produz também leite, mais de um tipo de queijo, iogurte natural.
Questionado sobre onde coloca a produção de sua propriedade, o ator disse que vende para redes de supermercados, feiras livres e também faz cestas que são entregues a clientes residenciais. “Temos um caminhão refrigerado que faz as entregas”, explicou.
A certificação dos produtos orgânicos passa a ser obrigatória pela legislação brasileira a partir de 2011.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!